Huawei

Fisco e Ministério da Saúde abrem inquérito sobre viagens de quadros do Estado com a Huawei

A Autoridade Tributária (AT) e o Ministério da Saúde estão a conduzir um inquérito sobre as circunstâncias que levaram destacados funcionários do Estado a aceitar uma viagem à China.

FOCKE STRANGMANN/EPA

A Autoridade Tributária (AT) e o Ministério da Saúde abriram um inquérito sobre as circunstâncias que levaram destacados funcionários do Estado a aceitar uma viagem à China, onde foram recebidos pela empresa Huawei, avança à agência Lusa citando fontes oficiais.

A notícia foi avançada pelo semanário Expresso, segundo o qual a multinacional pagou os custos das viagens de avião e da estada na China a seis funcionários dos ministérios da Saúde e das Finanças, em 2015. Contudo, o jornal viria a publicar uma notícia pouco depois das 9h da manhã deste sábado que esclarecia que os bilhetes de avião foram pagos não pela Huawei, diretamente, mas por “parceiros privados”.

Contactada pela Lusa, fonte do Ministério das Finanças indicou que a AT está a conduzir o inquérito para “verificação das circunstâncias que levaram à autorização e aceitação da viagem em questão”.

Também o Ministério da Saúde pediu a intervenção da IGAS para averiguação dos factos e apuramento de eventuais responsabilidades”, disse à agência Lusa fonte oficial, a propósito da notícia avançada pelo Expresso, relativamente a factos ocorridos em 2015, que envolvem cinco funcionários da tutela da Saúde e um das Finanças.

De acordo com o semanário, uma viagem realizou-se entre 2 e 6 e de junho de 2015, envolvendo cinco dirigentes do Ministério da Saúde. Em fevereiro do mesmo ano, outro destacado funcionário do Estado, Carlos Santos, da AT, viajou para a China “com tudo pago”. O jornal cita uma fonte ligada ao processo, segundo a qual a empresa de telecomunicações pagou “tudo, mesmo tudo”, incluindo a alimentação.

A viagem incluiu uma visita ao Hospital de Zheng Zhou para observar como funciona o sistema de telemedicina da unidade e outra à sede da tecnológica em Shenzhen, perto de Hong Kong.

“Os altos quadros dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) que viajaram a convite são Artur Trindade Mimoso, vogal executivo do conselho de administração, Nuno Lucas, diretor de sistemas de informação, Ana Maurício, diretora de comunicação, Rui Gomes, diretor de sistemas de informação e Rute Belchior, diretora de compras”, lê-se na notícia do Expresso.

A Lusa questionou igualmente o Ministério das Finanças sobre estes nomes e outros que possam estar envolvidos, mas não obteve qualquer resposta a este respeito.

Os SPMS confirmaram ao jornal a deslocação “suportada pela entidade que organizou a visita”, justificando-a com “objetivos prioritários” de adquirir e partilhar conhecimentos sobre “os recursos, modelos e estratégias diferenciadoras utilizadas no âmbito da telemedicina”.

O jornal acrescenta que Carlos Santos, chefe de equipa multidisciplinar de 2.º nível do Núcleo de Sistemas Distribuídos, da AT, foi convidado para participar numa cimeira de tecnologia no quartel-general da Huawei, de 09 a 14 de fevereiro de 2015, estando em curso um inquérito interno para “o mais completo apuramento dos factos”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)