436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Escritora brasileira Clara Averbuck acusa motorista da Uber de violação

Este artigo tem mais de 4 anos

Clara Averbuck diz ter sido vítima de violação por um motorista da Uber -- que já foi afastado -- e usou o Facebook para contar o que aconteceu. O motorista foi afastado.

A Uber garantiu que o motorista em causa já foi afastado da empresa
i

A Uber garantiu que o motorista em causa já foi afastado da empresa

Clara Averbuck/Facebook

A Uber garantiu que o motorista em causa já foi afastado da empresa

Clara Averbuck/Facebook

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A escritora brasileira Clara Averbuck fez uma publicação esta segunda-feira no Facebook onde alega que foi violada por um motorista da Uber na noite de domingo. A escritora ainda está a decidir se vai apresentar queixa.

Na publicação do Facebook — que conta com mais de 10 mil gostos de cerca e 1,3 mil partilhas –, a escritora brasileira relata ao pormenor o momento da alegada violação: “O nojento do motorista do Uber aproveitou meu estado, minha saia, minha calcinha pequena”, pode ler-se na publicação.

Estou machucada, mas estou em casa e medicada para me acalmar. Estou decidindo se quero me submeter à violência que é ir numa delegacia ser questionada, já que a violência sexual é o único crime que a vítima é que tem que provar”, explica a escritora.

Clara Averbuck admite na publicação que estava alcoolizada quando o motorista da Uber a terá violado, acrescentando que não se vai “culpar”, tal como fez quando foi violada em adolescente.

Fui violada de novo, violada porque sou mulher, violada porque estava vulnerável e mesmo que não estivesse poderia ter acontecido também”, pode ler-se ainda na publicação.

A escritora brasileira — autora de livros como “Cidade Grande no Escuro” ou “Nossa Senhora da Pequena Morte” — explica que fez a publicação no Facebook para que os utilizadores que a leiam “saibam que pode acontecer com qualquer uma, a qualquer momento”. “O mundo é um lugar horrível para ser mulher”, termina a escritora.

No Twitter, Clara Averbuck lançou um movimento com a hashtag #MeuMotoristaAbusador onde apela a todas as mulheres que divulguem e denunciem estes casos: “Por mim, por você e por elas. Denuncie”.

A Uber, contactada pelo jornal brasileiro Folha de São Paulo, garantiu que o motorista em causa já foi afastado da empresa. Em comunicado, a Uber diz estar “à disposição das autoridades competentes para colaborar com as investigações”. “A Uber repudia qualquer tipo de violência contra mulheres”, pode ler-se ainda.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.