Ambiente

Bosch diz que há solução para os motores de combustão

820

A Bosch, uma das visadas no escândalo da manipulação das emissões, vem agora dizer não só que os motores de combustão continuarão a ser indispensáveis, como também que podem ser neutros em CO2.

Autor
  • Francisco António

Pressionados pelos governos para acabarem de vez com os motores de combustão, e principalmente com os diesel, os construtores automóveis parecem estar num beco de saída, quanto a uma tecnologia que tão bem os serviu – a eles e à sociedade – durante muitos e bons anos. Ou será que não? A Robert Bosch GmbH, pelo menos, garante que não.

A companhia alemã defende que a utilização de combustíveis sintéticos poderá ser a solução para fazer com que os motores de combustão deixem de emitir dióxido de carbono. Permitindo-lhes, assim, continuar em utilização até que esteja totalmente desenvolvida uma forma de mobilidade mais sustentável.

De acordo com a gigante da engenharia e electrónica, o combustível sintético perfeito será produzido com hidrogénio extraído da água e utilizando o carbono retirado do ar ou directamente de fontes industriais. Recorrendo para tal a um processo que permitirá produzir não só combustíveis como gasolina ou gasóleo, mas também gás natural e querosene.

A Bosch garante que, seja qual for o combustível desejado, poderá ser sintetizado de forma a que não venha a produzir mais dióxido de carbono do que aquele que foi retirado da atmosfera, tornando-o CO2 neutro. Utilizando, para tal, fábricas movidas apenas a energias renováveis. Sendo que, e ao contrário dos biocombustíveis, estes produtos sintéticos não necessitam de terra de cultivo para a produção das necessárias matérias-primas, a qual pode assim ser aplicada no cultivo de produtos para consumo do homem.

Estes combustíveis podem ainda ser elaborados de modo a não expelir qualquer fuligem, reduzindo assim a necessidade de equipamentos de tratamento dos gases de escape. Não necessitando igualmente da aplicação de quaisquer dispositivos nos carros actualmente em circulação, ou até de mesmo uma rede própria de distribuição, já que possuem as mesmas propriedades químicas dos combustíveis tradicionais. Podendo, por isso, ser não só utilizados pelos actuais motores de combustão interna, como comercializados através da actual rede de distribuição.

O estudo agora divulgado conclui, por exemplo, que os custos totais de um veículo híbrido, utilizando combustíveis sintéticos e após uma utilização média de 160.000 km, deverão ser similares aos de um veículo eléctrico, dependendo da origem da energia eléctrica utilizada por este último.

Por outro lado, a Bosch também reconhece que “a produção de combustíveis sintéticos é, actualmente, um processo complexo e oneroso”, e que, “mesmo com esforços consideráveis, […] ainda será preciso esperar até que se tornem uma solução competitiva”.

Recorde-se que, actualmente, apenas existem algumas fábricas em teste em todo o mundo, com testes-piloto a decorrerem já na Alemanha e na Noruega. Sendo que a Bosch acredita que, com o aumento da produção, o avanço da tecnologia de refinação e uma descida dos preços da energia eléctrica produzida através de soluções renováveis, o custo dos combustíveis sintéticos poderá, eventualmente, cair para valores entre 1,00€ e 1,40€ por litro – antes da aplicação dos impostos.

De resto, a companhia nota que, ainda que todos os automóveis transitem, com sucesso, para a energia eléctrica, continuará a haver necessidade de combustíveis sintéticos. Uma vez que tanto os aviões, como os comboios, os barcos e os carros clássicos continuarão a utilizar motores de combustão interna.

Por revelar fica, no entanto, quando é que será possível ter disponível e em comercialização os combustíveis sintéticos, ou até mesmo quais os incentivos ou financiamentos necessários para a investigação, de forma a acelerar a implementação desta nova solução, que permitirá estender a vida dos actuais motores de combustão.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundial 2018

O dia em que o Panamá marcou um golo /premium

Bruno Vieira Amaral

É incrível como um jogo sem história – tal a diferença entre as duas equipas – acaba por ser histórico. Essa é uma das magias do Mundial, a dos pequenos prazeres estatísticos que proporciona.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)