Rádio Observador

Donald Trump

Não há provas de que Obama colocou escutas na Trump Tower, diz departamento da Justiça

O departamento de Justiça norte-americano desmentiu as acusações de Donald Trump de que Obama pôs escutas na Trump Tower durante a campanha para as eleições presidenciais.

Acusações de Donald Trump não tinham fundamento, referiu o departamento de Justiça

SHAWN THEW/EPA

O departamento de Justiça dos Estados Unidos adiantou, esta sexta-feira, que não há provas de que o antigo presidente norte-americano, Barack Obama, colocou escutas na Trump Tower, em 2016, durante a campanha presidencial.

Foi o próprio Donald Trump quem acusou Obama de o pôr sob escuta, através de publicações no Twitter no passado mês de março. “É legal um presidente em funções pôr escutas nos telefones durante a corrida eleitoral?”, refere numa publicação.

“Terrível! Acabei de descobrir que Obama pôs “escutas” na Trump Tower mesmo antes da vitória. Não foi encontrado nada. Isto é McCarthismo”, escreveu.

“Quão baixo desceu o Presidente Obama ao pôr os meus telefones sob escuta durante o sagrado processo das eleições. Isto é Nixon/Watergate. Homem mau (ou doente)!”, lê-se num tweet.

Estas acusações foram agora desmentidas. “Tanto o FBI como a Divisão de Segurança Nacional [NSD, na sigla em inglês e que pertence ao departamento de Justiça] podem novamente confirmar que não encontraram registos ligados a escutas como descrito nos tweets de 4 de março de 2017″, lê-se no documento divulgado esta sexta-feira e citado pelo Business Insider.

Estas afirmações surgem em resposta ao Freedom of Information Act, que permite a divulgação ao público de informações controladas pelo Governo, interposto pelo American Oversight, um órgão de fiscalização norte-americano.

Na altura, um porta-voz de Obama classificou as acusações de “simplesmente falsas”. Também o ex-director dos serviços secretos norte-americanos, James Clapper, e o antigo diretor do FBI, James Comey, negaram a veracidade das afirmações de Trump.

Comey disse mesmo que não havia provas de que Obama tinha posto os telefones de Trump sob escuta e, em março, pediu ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos para desmentir os tweets de Trump, até porque isso significaria que o FBI tinha violado a lei.

O American Oversight já reagiu às declarações do Departamento de Justiça, referindo que o “FBI e o Departamento de Justiça estão do lado de Comey e confirmaram por escrito que o Presidente Trump mentiu quando tweetou que o antigo Presidente Obama o pôs sob escutas na Trump Tower”.

A Casa Branca já está a analisar a situação, confirmou a porta-voz Sarah Huckabee Sanders, num email enviado à Newsweek.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
150

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)