Televisão

Emmy 2017: como explicar o sucesso do canal Hulu e “The Handmaid’s Tale”?

123

A Hulu tornou-se o primeiro serviço de 'streaming' a levar para casa o Emmy de Melhor Série Dramática, com "The Handmaid's Tale", que ganhou oito estatuetas. Mas o que é a Hulu? E que série é esta?

Elisabeth Moss (à direita) venceu o Emmy de Melhor Atriz de Série Dramática

HULU

A noite deste domingo, 17 de setembro, foi de Emmy. Os melhores da televisão norte-americana foram premiados e a passadeira vermelha encheu-se de caudas compridas e smokings bem engomados. Mas hoje o conceito de televisão já é algo muito ambíguo. Ao falarmos de séries, de televisão, já não temos de estar necessariamente a falar sobre a caixinha mágica que ocupa o lugar central das nossas salas de estar. Os serviços de streaming vieram desarrumar uma indústria que estava cristalizada nos tradicionais canais de televisão há décadas – e não, não estamos a falar apenas da Netflix.

No domingo à noite, aconteceu o que nunca tinha acontecido: a Hulu tornou-se o primeiro serviço de streaming a vencer o Emmy de Melhor Série Dramática, com “The Handmaid’s Tale”. Aliás, a série original da Hulu foi mesmo uma das vencedoras da noite e levou para casa oito Emmy, os mesmos que “Big Little Lies” (da HBO). Mas o que é a Hulu? Quando é que apareceu? Está disponível em Portugal?

A Hulu é um projeto conjunto que agrega empresas como a Walt Disney Company, a 21st Century Fox, a ComCast e a Time Warner. O site apareceu em 2007 apenas com um anúncio e sem qualquer conteúdo, e limitava-se a pedir os endereços de e-mail dos visitantes para que estivessem incluídos no teste beta. A 12 de março de 2008, a Hulu foi lançada ao acesso público e iniciou uma gigante campanha publicitária, que incluiu um anúncio no intervalo do Super Bowl – o espaço de publicidade mais valioso do mundo – com a estrela de cinema norte-americana Alec Baldwin.

Atualmente, para além da clara aposta nas séries originais, o serviço de streaming conseguiu acordos com os canais HBO, Cinemax e Showtime e passou a ter os seus produtos disponíveis – depois da aquisição de todos os direitos da série de animação “South Park”, em 2014. Outra das novidades recentes da Hulu é um pacote de subscrição adicional que permite ver televisão em direto em Android, iOS ou até na Xbox One. Por agora, o site mantém apenas duas opções de subscrição, em contraste com as três da Netflix.

A má notícia é que a Hulu não está disponível em Portugal: aliás, só está disponível nos Estados Unidos e no Japão. Está planeada uma expansão para o Reino Unido para breve, mas a Hulu não vai parar aqui: em 2010, o presidente-executivo, Jason Kilar, disse ao Financial Times que “não vai estar satisfeito enquanto este não for um serviço global”.

A grande vitória nos Emmy deste domingo vem destronar a Netflix como a grande alternativa aos habituais canais de televisão. Desde 2013, a Netflix foi nomeada mais de 200 vezes mas nunca teve muito sucesso em termos práticos. Além do Emmy de Melhor Série Dramática, “The Handmaid’s Tale” ganhou noutras três categorias principais, como Melhor Atriz, Melhor Atriz Secundária e Melhor Realizador de Série Dramática. Mas que série é esta?

A trama de “The Handmaid’s Tale”

“The Handmaid’s Tale” é uma série distópica baseada no livro de Margaret Atwood com o mesmo nome. A premissa parece rebuscada: num futuro próximo, as taxas de fertilidade colapsam devido às doenças sexualmente transmissíveis e à poluição ambiental. O caos leva à criação de um estado cristão totalitário que toma o poder nos Estados Unidos – agora Gilead – depois de uma guerra civil. A sociedade é então organizada por líderes militares que chefiam com base na hierarquia e criam novas classes sociais.

Em Gilead, as mulheres não podem trabalhar, ter propriedades, ter dinheiro ou ler. A infertilidade global resulta na recruta das poucas mulheres férteis daquele território, as ‘handmaids’, que se chamam assim devido a uma interpretação extremista da Bíblia. Cada uma delas é associada a cada uma das casas da elite, onde têm de ser violadas pelo homem da casa, para que possam engravidar e gerar o filho daquele casal. A série segue de perto a história de Offred (Elisabeth Moss), uma das ‘handmaids’, que se lembra da sua vida no passado, quando tinha um marido, uma filha e a sua própria identidade.

A série de sucesso surgiu em abril de 2017, depois de “11.22.63” e “Shut Eye”, outras duas produções da Hulu que surpreenderam o público, principalmente pelo facto de James Franco e Jeffrey Donovan aparecerem nos papéis principais.

A Hulu é o novo fenómeno do mundo das séries americanas e vem explorar um mercado que antes estava completamente dominado pela Netflix. O aparecimento destes serviços de streaming veio ressuscitar e dar alento à ficção televisiva, depois dos tempos áureos de “Friends”, “ER: Serviço de Urgência” ou “Seinfeld”. Os canais tradicionais viram-se ameaçados e investiram mais e melhor nas suas produções: desde os realizadores, aos argumentos, passando pelos atores e pela divulgação. Nos Estados Unidos, ser ator de televisão já não é inferior a ser ator de cinema. Alguns, inclusive, fazem o percurso inverso. E muito disto deve-se à Netflix, à Hulu e a séries como “The Handmaid’s Tale”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)