Incêndios

Arganil. Mata Nacional da Margaraça ardeu quase por completo

4.408

Cerca de 70% a 80% da Mata Nacional da Margaraça, classificada como Reserva Biogenética do Conselho da Europa, ardeu face ao incêndio de domingo, estimou o presidente da Câmara de Arganil.

Grande parte dos principais pontos turísticos do concelho arderam ou ficaram afetados com as chamas

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de 70% a 80% da Mata Nacional da Margaraça, classificada como Reserva Biogenética do Conselho da Europa, ardeu face ao incêndio de domingo, estimou o presidente da Câmara de Arganil, do distrito de Coimbra.

“Ardeu uma parte significativa. Estaremos a falar de 70 a 80%” da mata, disse à agência Lusa o presidente do município, Ricardo Alves, que viu 92% da área florestal arder nos recentes incêndios que afetaram o concelho (cerca de 25 mil hectares).

A Margaraça era uma floresta caducifólia, composta, nomeadamente, por carvalhos, castanheiros, azevinhos, loureiros e freixos, registando-se ainda algumas espécies de orquídeas no seio desta mata nacional.

Grande parte dos “principais pontos turísticos do concelho arderam” ou ficaram afetados com as chamas, como foi o caso da Fraga da Pena, situada em paisagem protegida da Serra do Açor, que tem uma queda de água de 19 metros.

“A parte cimeira da fraga ardeu”, referiu à Lusa Ricardo Alves, sublinhando que “todas as praias fluviais” do concelho foram afetadas, a aldeia de xisto de Benfeita tem tudo “ardido à volta” e na também aldeia de xisto de Vila Cova de Alva arderam “casas no coração” da localidade.

A exceção é a aldeia histórica do Piódão, cuja localidade e encosta que a rodeia escaparam às chamas, observou. A fotografia-postal da aldeia de xisto continua preservada, “mas o sítio de onde se tira a fotografia está ardido e há um percurso até chegar ao Piódão que é devastador”, sublinhou Ricardo Alves.

Relativamente ao número de casas afetadas, o autarca atualizou o número para cerca de 60 casas de primeira habitação destruídas e cerca de 40 de segunda habitação.

A resposta de habitação até agora às famílias desalojadas tem sido “provisória”, estando a ser encontradas “soluções mais robustas”, explanou, sublinhando que a autarquia vai arrendar habitações se necessário.

Em declarações à Lusa, Ricardo Alves referiu ainda que há “muitas centenas de cabeças de gado” que morreram com as chamas e sete a oito microempresas afetadas.

No concelho de Arganil, contabilizam-se três vítimas mortais. Duas pessoas morreram a tentar salvar os animais em Cerdeira e uma na sua própria casa, na freguesia de São Martinha da Cortiça, informou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assalto em Tancos

Tancos: é ainda pior do que parece

Bruno Cardoso Reis

Se é certo que em Portugal as Forças Armadas sempre serviram para bem mais do que fazer a guerra, hoje em dia essas outras tarefas são cada vez mais numerosas e cada vez mais vitais. 

Mulher

Go girls, go! /premium

Laurinda Alves
114

Ainda tão jovens, com pouco mais de vinte anos, todas sabem exactamente por onde querem começar e atrevem-se a dizer, como Elvira: “sou parte da geração que vai mudar o meu país!”. E nós acreditamos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)