Rádio Observador

Web Summit

Brad Parscale: “Quero que Trump tweete o mais que conseguir e que lhe dêem 280 caracteres”

136

Diretor digital da campanha de Donald Trump acredita "que as pessoas querem ouvir os seus líderes" e questiona: "Qual é a melhor maneira de o fazerem que não seja falarem diretamente com as pessoas?"

Brad Parscale falou no palco central da Web Summit e, depois, aos jornalistas portugueses

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O antigo diretor digital da campanha eleitoral de Donald Trump, Brad Parscale, defendeu a política seguida pelo presidente norte-americano nas redes sociais. Em declarações à imprensa portuguesa, no final da conferência que decorreu no palco central da Web Summit, Parscale disse ainda ser um “fã” da utilização que Trump faz do Twitter.

“Sou um fã de ele [Trump] usar o Twitter. Toda a gente me pergunta: devíamos tirá-lo do Twitter? E eu digo: quero que ele tweete o mais que conseguir, acredito que as pessoas querem ouvir os seus líderes e qual é a melhor maneira de o fazerem que não seja com eles falarem diretamente com as pessoas? E espero que eles nos dêem a todos 280 caracteres para serem mais longos“, disse Parscale, questionado pelo Observador sobre qual é a visão que tem relativamente à utilização que o presidente Donald Trump faz da rede social.

Veja aqui as declarações de Brad Parscale aos jornalistas portugueses:

Parscale não vê problema no facto de Donald Trump anunciar decisões presidenciais através do Twitter. “Ele é o presidente, a escolha é dele. Ele faz o que quiser. Se é assim que ele pensa, deve fazê-lo dessa maneira“, disse o homem que aconselhou Trump na campanha eleitoral, e que quer continuar a trabalhar com ele.

“Acredito na agenda “América Primeiro”, e espero ajudar a fazer com que ela dure oito anos em vez de quatro”, sublinhou, dizendo que gostaria de ser contactado por Trump para a próxima campanha. “Infelizmente, ele é o meu chefe, não sou eu que sou o chefe dele. Espero que ele me ligue. Mas se não ligar não tenho problema com isso”, garantiu.

Pude gastar 300 milhões de dólares em publicidade e marketing em três meses, com um bom candidato. Que profissional do marketing não ia querer isso? Fui abençoado e foi uma das melhores oportunidades da minha vida“, destacou o publicitário.

Parscale deixou também duras críticas à imprensa norte-americana por aquilo que considerou ser as “notícias enviesadas” sobre Trump. “Acredito que os jornalistas de política, agora, se tornaram em analistas políticos. Temos análise e opinião em vez de notícias e informações. Não sei como é na Europa, mas nos Estados Unidos, abrimos um jornal e em 18 artigos, 14 são de opinião”, sublinhou.

Antes, na conferência em que participou no palco central, recordou como pediu ajuda ao próprio Facebook para “perceber como conseguir melhores alcances e chegar aos quase 100 milhões de dólares que conseguimos angariar através dessa rede social”. E garantiu que Trump “é o melhor presidente que tivemos em muito tempo, mas ainda precisa de tempo para concretizar”.

Parscale deixou ainda um conselho para Trump, caso queira ser reeleito em 2020. Ou melhor, dois: primeiro, continuar a fazer tweets. Segundo: “contratem-me” outra vez.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
118

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)