República do Congo

“Pior ataque da história recente” contra “capacetes azuis” faz 14 mortos na República do Congo

102

Pelo menos 14 membros das forças de manutenção da paz das Nações Unidas morreram durante um ataque na noite de quinta-feira na República Democrática do Congo. Há 40 feridos, quatro em estado grave.

Guterres caracterizou o ataque como "o pior contra as forças de manutenção da paz das Nações Unidas na história recente da organização"

DAI KUROKAWA/EPA

Um ataque na zona leste da República Democrática do Congo provocou a morte de, pelo menos, 14 membros das forças de manutenção da paz das Nações Unidas (ONU). Cinco deles pertenciam às forças armadas congolesas e os restantes tinham nacionalidade tanzaniana, refere a CNN. Segundo o porta-voz adjunto da ONU, Farhan Haq, há ainda 40 feridos, a maioria também do contingente da Tanzânia. Quatro estão em estado grave. “É um ataque muito grande, certamente o pior na memória recente”, disse.

O secretário-geral adjunto das Nações Unidas para as operações de paz, Jean-Pierre Lacroix, já tinha adiantado que o ataque, que aconteceu na noite de quinta-feira na província de Kivu, tinha resultado na morte de um “grande número” de “capacetes azuis”, ferindo muitos outros. No Twitter, Lacroix disse estar “indignado”com o ataque e revelou que estão em curso operações de assistência médica. Lacroix não revelou qualquer informação relativamente aos autores do ataque.

Em comunicado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, mostrou-se indignado e triste com os acontecimentos da noite de quinta-feira na República do Congo, desejando as rápidas melhoras dos feridos e enviando condolências às famílias das 14 vítimas. “Condeno este ataque inequivocamente. Estes ataques deliberados contra forças de manutenção da paz das Nações Unidas são inaceitáveis e constituem um crime de guerra“, afirmou Guterres. “Apelo às autoridades da República Democrática do Congo para que investiguem este acidente e que levem os culpados à Justiça. Estes ataques não podem sair impunes, aqui e noutro lado qualquer.”

Para o secretário-geral, este ataque, que caracterizou como “o pior contra as forças de manutenção da paz das Nações Unidas na história recente da organização”, é “outra indicação dos enormes sacrifícios feitos pelos países que contribuem com tropas para a paz global“. “Estes homens e mulheres corajosos colocam a vida em risco todos os dias para servir a paz e proteger os civis”, disse ainda.

No total, as Nações Unidas têm mais de 16.500 de “capacetes azuis” destacados na República Democrática do Congo, bem como mais de 1.350 polícias, provenientes de um total de 49 nações. Este é o maior destacamento de forças de manutenção da paz da ONU. Portugal teve militares no país até 2013, mas numa Missão da União Europeia de Aconselhamento e Assistência em matéria de Reforma do Setor de Segurança.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)