Yanis Varoufakis

Yanis Varoufakis diz que a crise continua e que “o euro corre perigo”

172

Numa entrevista ao El País, o ex-ministro das Finanças grego avisa que "o euro, tal como está hoje, é insustentável", alerta para as novas crises que a Europa enfrenta e lamenta a queda de Tsipras.

AFP/Getty Images

O antigo ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, diz que “a crise continua aí” e que “o euro corre perigo”. Numa entrevista ao jornal espanhol El País, a propósito da publicação da tradução espanhola do seu livro Adults In The Room: My Battle With Europe’s Deep Establishment (Comportarse Como Adultos, na versão espanhola), Varoufakis desvaloriza os recentes avanços da economia europeia, considerando-os “uma reativação cíclica” e enumera as ameaças que a Europa enfrenta.

“Na fase mais aguda da crise do euro, houve sérios riscos de fragmentação. O BCE soube contê-los, mas as ameaças ainda existem, ainda que adotem outras formas: o Brexit, uma Alemanha que não consegue formar Governo, a extrema-direita na Áustria, a Catalunha, o afundamento do bipartidarismo na França e os reflexos autoritários na Europa de Leste são claros sintomas de um mal-estar profundo”, considera Varoufakis na entrevista ao jornal espanhol

“As grandes crises são momentos de revelação das falhas do sistema: na Europa vimos as costuras ao euro e, se nada muda, a ameaça é o afundamento gradual daquilo a que costumávamos chamar democracia liberal”, assegura ainda o ex-ministro grego, sublinhando como “as análises mais pessimistas, entre elas as minhas, não falharam nos últimos anos; lamento, mas é assim“.

Euro é “insustentável”

Yannis Varoufakis, que liderou o Ministério das Finanças da Grécia durante seis meses em 2015, diz que a situação atual lhe faz lembrar “a de 2001”. Na altura, recorda Varoufakis, “vínhamos de 20 anos a conter bolhas, rebentou a bolha tecnológica, e ainda assim conseguimos manter-nos na mesma e provocámos uma crise ainda mais grave, com uma bolha ainda maior que rebentou em 2008. Corremos o risco de voltar a estes tempos. Em Espanha, a dívida total está a subir. Em Itália há fuga de capitais, uma crise bancária em potência, uma situação política explosiva”.

“O que temos na Grécia não se pode chamar recuperação, e a dívida é impagável. Os exemplos são inesgotáveis. Em toda a periferia trocámos empregos a tempo inteiro por trabalho precário, e com isso se põem em perigo as pensões futuras e as bases da economia europeia. Os desequilíbrios financeiros e macroeconómicos não só se reduziram, como são ainda maiores: temo que não estejamos para celebrações. O euro, tal como está hoje, é insustentável“, avisa mesmo o antigo governante grego.

“Dez anos depois [da queda] do Lehman Brothers, somos incapazes de reforçar a arquitetura do euro e a moeda, ao contrário do que diziam os seus impulsionadores, é uma fonte de incerteza. A Europa é muito rica e pode manter esse euro com pés de barro durante um tempo, mas a longo prazo, creio, as costuras vão rebentar”, afirma Varoufakis, acusando a Comissão Europeia de não ter um papel ativo na política europeia. “O Eurogrupo e até o grupo de trabalho do Eurogrupo mandam muito mais”, acusa.

“Não soubemos resistir”

No livro, o ex-ministro recorda as negociações entre a Grécia e a União Europeia, em que o país procurou reestruturar a dívida. “A Grécia não podia aceitar nenhum acordo sem reestruturar a sua dívida, que era e é insustentável. Mas aos credores não lhes interessava que pagássemos: simplesmente queriam dar uma lição à Grécia como aviso a outros países. No final, desgraçadamente, Tsipras capitulou“, recorda Varoufakis.

“No póquer, se tens cartas más, só tens uma possibilidade de ganhar se o teu bluff for bom e se o mantiveres até ao fim, mas se acreditas que o teu adversário não se vai retirar, não devias jogar. Estou orgulhoso do autêntico susto, ainda que breve, que a troika apanhou. Mas não soubemos resistir”, escreve o antigo ministro grego, admitindo ao El País que a “derrota teve custos enormes”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)