Rádio Observador

Yanis Varoufakis

Yanis Varoufakis diz que a crise continua e que “o euro corre perigo”

172

Numa entrevista ao El País, o ex-ministro das Finanças grego avisa que "o euro, tal como está hoje, é insustentável", alerta para as novas crises que a Europa enfrenta e lamenta a queda de Tsipras.

AFP/Getty Images

O antigo ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, diz que “a crise continua aí” e que “o euro corre perigo”. Numa entrevista ao jornal espanhol El País, a propósito da publicação da tradução espanhola do seu livro Adults In The Room: My Battle With Europe’s Deep Establishment (Comportarse Como Adultos, na versão espanhola), Varoufakis desvaloriza os recentes avanços da economia europeia, considerando-os “uma reativação cíclica” e enumera as ameaças que a Europa enfrenta.

“Na fase mais aguda da crise do euro, houve sérios riscos de fragmentação. O BCE soube contê-los, mas as ameaças ainda existem, ainda que adotem outras formas: o Brexit, uma Alemanha que não consegue formar Governo, a extrema-direita na Áustria, a Catalunha, o afundamento do bipartidarismo na França e os reflexos autoritários na Europa de Leste são claros sintomas de um mal-estar profundo”, considera Varoufakis na entrevista ao jornal espanhol

“As grandes crises são momentos de revelação das falhas do sistema: na Europa vimos as costuras ao euro e, se nada muda, a ameaça é o afundamento gradual daquilo a que costumávamos chamar democracia liberal”, assegura ainda o ex-ministro grego, sublinhando como “as análises mais pessimistas, entre elas as minhas, não falharam nos últimos anos; lamento, mas é assim“.

Euro é “insustentável”

Yannis Varoufakis, que liderou o Ministério das Finanças da Grécia durante seis meses em 2015, diz que a situação atual lhe faz lembrar “a de 2001”. Na altura, recorda Varoufakis, “vínhamos de 20 anos a conter bolhas, rebentou a bolha tecnológica, e ainda assim conseguimos manter-nos na mesma e provocámos uma crise ainda mais grave, com uma bolha ainda maior que rebentou em 2008. Corremos o risco de voltar a estes tempos. Em Espanha, a dívida total está a subir. Em Itália há fuga de capitais, uma crise bancária em potência, uma situação política explosiva”.

“O que temos na Grécia não se pode chamar recuperação, e a dívida é impagável. Os exemplos são inesgotáveis. Em toda a periferia trocámos empregos a tempo inteiro por trabalho precário, e com isso se põem em perigo as pensões futuras e as bases da economia europeia. Os desequilíbrios financeiros e macroeconómicos não só se reduziram, como são ainda maiores: temo que não estejamos para celebrações. O euro, tal como está hoje, é insustentável“, avisa mesmo o antigo governante grego.

“Dez anos depois [da queda] do Lehman Brothers, somos incapazes de reforçar a arquitetura do euro e a moeda, ao contrário do que diziam os seus impulsionadores, é uma fonte de incerteza. A Europa é muito rica e pode manter esse euro com pés de barro durante um tempo, mas a longo prazo, creio, as costuras vão rebentar”, afirma Varoufakis, acusando a Comissão Europeia de não ter um papel ativo na política europeia. “O Eurogrupo e até o grupo de trabalho do Eurogrupo mandam muito mais”, acusa.

“Não soubemos resistir”

No livro, o ex-ministro recorda as negociações entre a Grécia e a União Europeia, em que o país procurou reestruturar a dívida. “A Grécia não podia aceitar nenhum acordo sem reestruturar a sua dívida, que era e é insustentável. Mas aos credores não lhes interessava que pagássemos: simplesmente queriam dar uma lição à Grécia como aviso a outros países. No final, desgraçadamente, Tsipras capitulou“, recorda Varoufakis.

“No póquer, se tens cartas más, só tens uma possibilidade de ganhar se o teu bluff for bom e se o mantiveres até ao fim, mas se acreditas que o teu adversário não se vai retirar, não devias jogar. Estou orgulhoso do autêntico susto, ainda que breve, que a troika apanhou. Mas não soubemos resistir”, escreve o antigo ministro grego, admitindo ao El País que a “derrota teve custos enormes”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)