435kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Medicamento contra cancro do pulmão com comparticipação aprovada

Este artigo tem mais de 4 anos

O cancro do pulmão de células não-pequenas vai poder ser tratado com imunoterapia, como primeira linha de tratamento, com comparticipação do Estado.

O Infarmed é a entidade responsável por aprovar a comparticipação dos medicamentos
i

O Infarmed é a entidade responsável por aprovar a comparticipação dos medicamentos

M

O Infarmed é a entidade responsável por aprovar a comparticipação dos medicamentos

M

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde) aprovou a comparticipação do medicamento pembrolizumab como primeira linha de tratamento contra o cancro do pulmão de células não-pequenas. A utilização desta imunoterapia será comparticipada para utilização em hospitais públicos.

O pembrolizumab, sob o nome comercial Keytruda, já era usado como tratamento para o melanoma avançado em adultos e para o tratamento de cancro do pulmão de células não-pequenas em adultos que tivessem recebido pelo menos um esquema de tratamentos com quimioterapia. Esta forma de cancro do pulmão é a mais comum, correspondendo a cerca de 85% dos casos.

A aprovação da comparticipação baseia-se no facto de o pembrolizumab em monoterapia, quando comparado com a quimioterapia, reduzir o risco de progressão ou morte dos doentes em 50% dos doentes e apresentar uma redução, aos 25 meses, de 37% do risco de morte, segundo o comunicado de imprensa da Merck Sharp & Dohme (MSD), responsável pela produção do medicamento.

O pembrolizumab é usado em imunoterapia, uma forma de terapia que pretende estimular o sistema imunitário do próprio doente para combater o cancro. As células cancerígenas, enquanto células do próprio organismo, arranjam maneiras de fugir ao controlo do sistema imunitário. No caso deste cancro do pulmão, do melanoma avançado e de outros cancros sólidos já estudados, o tumor é capaz de produzir uma proteína — PD-L1 — em grandes quantidade. Esta proteína fica na periferia das células tumorais e liga-se à proteína PD1 existentes nos linfócitos (células do sistema imunitário).

O PD-L1 quando se liga ao PD1 funciona como um travão e impede que a célula do sistema imunitário destrua a célula cancerígena. O pembrolizumab, um anticorpo que se liga à proteína PD1, e outros medicamentos de imunoterapia, que se ligam à PD-L1, têm o mesmo objetivo: impedir que o cancro trave a ação do sistema imunitário.

O novo caminho para combate ao cancro que faz aumentar esperança de vida

Uma das grandes vantagens da imunoterapia é ser menos tóxica e ter menos efeitos secundários que a quimioterapia, conhecida por causar anemia, baixa de plaquetas e leucócitos ou queda de cabelo. Ainda assim, a imunoterapia tem limitações e riscos. “Ao desbloquear alguns mecanismos de controlo da imunidade, um dos maiores riscos da sua utilização são a criação de fenómenos de autoimunidade”, disse ao Observador Venceslau Hespanhol, presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia. Estes efeitos secundários são, no entanto, “pouco intensos, passíveis de serem antecipados e controlados”. Além disso, uma vez resolvido o problema a terapia pode ser retomada.

“Estes fármacos estão em investigação numa grande diversidade de tumores, nuns têm demonstrado benefício, noutros isso ainda não foi atingido”, refere o médico Venceslau Hespanhol. “Porém, apesar dos excelentes resultados que têm sido obtidos, muito ainda há para conhecer sobre os mecanismos da resposta imune aos tumores e sobre a seleção dos doentes que mais deles beneficiam.”

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.