Rádio Observador

Ginástica

“Quanto mais calava a minha voz mais alto a ouvia gritar na minha cabeça”. Simone Biles assume ter sofrido abusos sexuais

234

Após os testemunhos das ginastas Aly Raisman, McKayla Maroney e Gabby Douglas, também Simone Biles, a menina querida do desporto do país após os Jogos de 2016, assumiu ter sofrido abusos sexuais.

Simone Biles tornou-se em 2016 a ginasta americana com mais medalhas numa edição dos Jogos Olímpicos (cinco, quatro de ouro)

Getty Images

Aly Raisman deu o primeiro passo ao assumir ter sido abusada sexualmente pelo médico da seleção americana de ginástica, Larry Nassar. McKayla Maroney seguiu-lhe o exemplo. Nessa altura, bastou uma frase menos feliz para se abrir uma guerra entre outras duas campeãs olímpicas: Gabby Douglas e Simone Biles.

“As mulheres devem vestir-se com pudor e classe para evitarem provocar as pessoas erradas”, referiu Douglas, tendo como contexto as produções feitas por Aly Raisman para a revista ESPN e para a Sports Illustrated. “Fico chocado com o que vejo mas não me surpreende. Ver isto dá-me vontade de chorar porque como companheira esperava mais de ti. Estou contigo Aly e com todas as mulheres por aí. Continuem fortes!”, respondeu Biles.

Pouco depois, Gabby admitiu que se arrependeu das palavras proferidas e admitiu também ter sido abusada: “Sei que não importante o que se usa, que isso não dá o direito para nos assediarem ou abusarem. Seria o mesmo do que dizer que a culpa foi nossa por Larry Nassar abusar de nós pelo que usávamos. Nunca tinha partilhado a minha experiência publicamente porque durante muitos anos fomos condicionadas ao silêncio e porque há coisas demasiado dolorosas”. Agora foi a vez de Simone assumir ter sido também abusada sexualmente.

A maioria de vocês conhece-me como uma rapariga feliz, brincalhona e enérgica mas ultimamente… Senti-me um pouco quebrada e quanto mais calava a minha voz mais alto a ouvia gritar na minha cabeça. Não tenho medo de contar a minha a história a ninguém.

Também sou uma das muitas sobreviventes que foram abusadas sexualmente por Larry Nassar. Acreditem que foi muito mais difícil dizer primeiro essas palavras do que estar agora a escrevê-la no papel. Há muitas razões pelas quais estive relutante em partilhar a minha história, mas agora sei que a culpa não é minha.

Não é normal receber qualquer tipo de tratamento por parte de um médico fisioterapeuta de confiança e referir o mesmo de forma horrenda como um tratamento “especial”. Este comportamento é completamente inaceitável, nojento e abusivo, sobretudo vindo de alguém que me disseram ser de confiança.

Perguntei a mim mesmo durante muito tempo: ‘Fui demasiado ingénua? Qual foi o meu erro?’. Agora sei a resposta a essas questões. Não. Não é culpa minha. Não, não vou nem devo carregar a culpa que pertence a Larry Nassar, à seleção americana de ginástica e outros.

É muito difícil soltar estas experiências e parte-me o coração ainda mais pensar que enquanto trabalhava ao máximo no meu sonho de competir nos Jogos de Tóquio em 2020, teria de continuar a voltar ao mesmo centro de treinos onde fui abusada.

Depois de ouvir as corajosas histórias das minhas amigas e de outras sobreviventes, sei que essa experiência horrenda não me define. Eu sou muito mais do que isso. Sou única, inteligente, talentosa, motivada e apaixonada. Prometi a mim mesmo que a minha história seria muito maior que isto e prometo a todos que nunca vou desistir. Irei competir de alma e coração sempre que entrar no ginásio. Adoro demasiado este desporto e nunca fui uma desistente. Não deixarei que um homem e outros que lhe permitiram isto roubem o meu amor e alegria.

Precisamos de saber como é que isto aconteceu durante tanto tempo e tantas de nós. Precisamos assegurar que algo deste género nunca mais volta a acontecer.

Assim como vou continuando a trabalhar com esta dor, peço amavelmente a todos que respeitem a minha privacidade. Isto é um processo e um processo em que irei necessitar de mais tempo para poder superar.

Depois de 14 medalhas (dez de ouro) em Campeonatos do Mundo entre 2013 e 2015, Simone Biles, de 20 anos, foi considerada a sucessora natural de Nadia Comaneci após uma participação olímpica de sonho nos Jogos do Rio de Janeiro, onde conquistou um total de quatro medalhas de ouro e uma de bronze.

Recorde-se que Larry Nassar, antigo médico da equipa de ginástica, admitiu em novembro ter molestado várias raparigas; em dezembro, num outro processo que decorria em paralelo, foi condenado por um tribunal do Michigan, a 60 anos de cadeia por posse de pornografia infantil. A juíza de distrito, Janet Jeff, disse que o médico “nunca mais deve ter acesso a crianças” e determinou que Nassar só começaria a cumprir a sentença assim que os restantes casos em que é acusado de abuso sexual estejam concluídos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)