Rádio Observador

Curiosidades Auto

Falcon Heavy mais rápido do que Bugatti Chiron?

O Falcon Heavy descolou ontem de Cabo Canaveral, rumo a Marte. Mas será que o mais potente foguetão da actualidade consegue ser mais rápido do que o Bugatti Chiron de 0 a 100 km/h? E de 0-400 km/h?

Ora aqui está um duelo improvável. No frente-a-frente entre o foguetão mais potente do momento, o Falcon Heavy – que descolou ontem rumo a Marte, transportando um Tesla Roadster –, e o Bugatti Chiron, o mais potente e luxuoso superdesportivo do mundo, qual será o mais rápido? Será uma competição diferente, para não dizer estranha, pois se o Chiron se desloca na horizontal e sobre rodas, o foguetão da SpaceX movimenta-se na vertical, tendo que elevar todo o seu peso no momento do arranque, que ascende a um total de 1.420 toneladas. Mas como ambos têm de começar por ultrapassar as fasquias dos 100, 200, 300 e 400 km/h, vamos à comparação, de cronómetro em punho.

Primeiro uma apresentação rápida dos contendores. Num canto o Chiron, o mais moderno e potente dos Bugatti, que extrai 1.500 cv de um motor a gasolina com 16 cilindros em W, o que atinge graças ao ar fornecido a grande pressão por parte de 4 turbocompressores. A potência é passada ao asfalto por um sistema de quatro rodas motrizes, que confia a tracção a uns pneus desenvolvidos especificamente pela Michelin, isto porque são os únicos capazes de ultrapassar o esforço – e o aquecimento – que implica rodar acima de 400 km/h. Aliás, são mesmo os pneus e a margem de segurança que a Bugatti impõe a si própria, que leva o construtor francês do Grupo Volkswagen a auto-limitar a velocidade do Chiron a 420 km/h, em vez dos 463 km/h que o modelo pode atingir.

No outro canto temos o Falcon Heavy, o aparelho da SpaceX, empresa que Elon Musk dirige, tal como a Tesla, e que consiste em três Falcon 9 juntos, com nove motores Merlin 1D cada. No total são 27 motores, que juntos geram um impulso de 22.819 kN, ou seja, 22.819.000 newtons, sensivelmente o mesmo que conseguem atingir 18 aviões Boeing 747 juntos. Isto no primeiro andar do foguetão, porque depois dos três boosters abandonarem a cápsula – o que acontece depois de esta ultrapassar 60 km de altitude – entra ao serviço o Merlin 1D que faz mover o segundo andar do Heavy, capaz de fornecer 934 kN (o mesmo dos outros 27), com a vantagem de apenas ter de funcionar no vácuo.

[Um Tesla no espaço ao som de Bowie e a aterragem perfeita de dois impulsionadores. Reveja neste vídeo as imagens mais fascinantes desta odisseia]

Qual é o melhor de 0-100 km/h?

A resposta é: o Chiron. Com uns generosos 1.996 kg, o Bugati exibe uma elegância de top model quando comparado com o Falcon Heavy, 710 vezes mais pesado. Curiosamente, ambos os veículos queimam um combustível derivado de petróleo, pois se o Chiron usa gasolina comum, que queima com ajuda do oxigénio que existe na atmosfera, o Heavy, vai ter de transportar o seu próprio oxigénio para lidar com um ar cada vez mais rarefeito à medida que se aproxima dos 12 km de altitude e, depois disso, com o vácuo. É este oxigénio em estado líquido que lhe vai permitir realizar a queima do RP1 (de Rocket Propellant 1), na realidade um querosene altamente refinado, ou seja, uma gasolina mais “apurada”.

Com a vantagem de ser mais leve e, ainda por cima, de não ter de elevar as duas toneladas do Chiron, o Bugatti chega aos 100 km/h ao fim de apenas 2,54 segundos, enquanto o Heavy necessita de 8 segundos para elevar as suas “gorduras”, mais precisamente 1.420.788 quilogramas. Com uma massa tão impressionante, é fácil perceber que o Tesla Roadster vai à boleia dentro do foguetão, com apenas 1.310 kg, pouco limita o potencial do aparelho, que consegue colocar numa órbita terrestre baixa (até aos 2.000 km) 63.800 kg, para depois conseguir deslocar 16.800 kg até Marte.

E a partir dos 100 km/h?

Depois de bater o seu “adversário” até aos 100 km/h, o Bugatti continua a esmagar o Falcon Heavy até aos 200 km/h, fasquia que o Chiron cumpre em 6,4 segundos, enquanto o Heavy necessita de 13 segundos. Porém, convém constatar que enquanto o carro começa a tornar-se mais lento (depois de cumprir os 100 km/h em 2,54 segundos, os 200 km/h já foram atingidos a uma média de 3,2 segundos por cada 100 km/h), o foguetão começa a livrar-se, ainda que lentamente, da inércia inicial, cobrindo os 200 km/h a uma média de 6,5 segundos por cada 100 km/h, em vez dos 8 segundos de que necessitou para atingir os primeiros 100 km/h.

E os 300 km/h também favorecem o Bugatti, que atinge após 13,4 segundos (4,47 segundos de média por cada 100 km/h), contra 18 segundos do aparelho da SpaceX, numa fase em que este já atinge uma média de 6,0 segundos por cada 100 km/h.

Os 400 metros com arranque parado, ou seja a tradicional aceleração do quarto de milha (na realidade 402 metros), também favorecem o superdesportivo, que cumpre em 9,5 segundos, contra 14 segundos para o foguetão com 70 metros de altura e 12,2 metros de largura.

Então é sempre o Bugatti a ganhar?

Nada disso. A magia do automóvel, ou pelo menos o período durante o qual os seus 1.500 cv chegam para liderar este duelo de aceleração, termina antes dos 400 km/h. O Chiron consome 32,6 segundos para ultrapassar esta meta (média de 8,15 s. por cada 100 km/h), enquanto ao Heavy bastam 22 segundos. Aliás, o foguetão já salta dos 300 km/h para os 400 km/h em 4 segundos, enquanto o Bugatti necessita de praticamente 19.

A partir daqui o Chiron desaparece do mapa, uma vez que está limitado a 420 km/h, mas é precisamente nesta fase que o Falcon Heavy começa a revelar-se imparável. Os 500 km/h são atingidos apenas 3 segundos depois e os 1.000 km/h são cumpridos 54 segundos depois da descolagem, com o foguetão a atingir velocidade supersónica pouco depois, já a 11 km de altitude. Os 2.000 km/h ficam para trás após 1 minuto e 27 segundos, os 5.000 km/h em 2.11 e os 9.000 km/h em 3 minutos, já a 81,2 km de altitude e a uma média de 2,0 segundos por cada 100 km/h.

Pouco depois desta fasquia, a cápsula do Falcon Heavy (que já tinha perdido os dois boosters laterais a 61,4 km de altitude, solta-se do resto do primeiro andar (a 91 km e a 9.483 km/h) passando a contar apenas com os serviços do Merlin 1D que assegura a locomoção do segundo andar do foguetão. Que ainda assim continua a acelerar a bom ritmo, atingindo os 10.000 km/h em 3.41 e os 25.000 km/h em 8,19, aqui já a 179 km de altitude e a uma média de 1,99 segundos por 100 km/h.

O motor do segundo andar do Heavy continuou a funcionar até aos 28 minutos, altura em que se desligou durante cerca de seis horas, enquanto a cápsula atravessava o cinturão de Van Allen, entre os 3.000 e os 25.000 km de altitude, para depois voltar a funcionar pela última vez e colocar o que resta do foguetão – e o Tesla Roadster da 1ª geração – a caminho de Marte. Na verdade, o objectivo é voar junto ao planeta vermelho e continuar a vaguear pelo espaço numa órbita em volta do Sol.

Quanto ao descapotável Tesla vermelho, com o Starman confortavelmente a bordo, fato de astronauta, uma mão no volante e o outro braço a descansar sobre a porta, passa a ser o carro usado mais rápido e valioso do nosso planeta. Sucede que o descapotável, com 292 cv e capaz de atingir 212 km/h e os 100 km/h em somente 3,7 segundos, está já muito longe da Terra e, em breve, a 400 milhões de quilómetros de distância, sensivelmente o dobro de Marte. Três câmaras vão continuar a registar imagens do Tesla e do espaço que o rodeia, especialmente desde que a cobertura do topo da capsula foi libertada.

Caso algum extraterrestre esteja interessado, o veículo em causa pertence a Elon Musk e não tem preço listado no Standvirtual, em Portugal. Mas nos EUA há várias unidades à venda entre os 45 e os 55 mil dólares. E substancialmente mais próximos.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)