Mercado

Chinês dono da Volvo é o maior na Mercedes

380

Por 7,3 mil milhões de euros, Li Shufu, o chinês que é dono da Geely e da Volvo, tornou-se o mais accionista da Daimler, a dona da Mercedes e Smart. Ficará Li Shufu por aqui?

No mundo dos negócios, quem tem dinheiro dita as regras. Durante algum tempo, os alemães da Daimler tentaram evitar a entrada dos chineses no seu capital, mas Li é um homem decidido e controla um império que lhe dá acesso a fundos colossais, pelo que os 7,3 mil milhões que pagou pelos quase 10% da Daimler, são apenas tostões.

Li Shufu criou a Geely em 1986 e, ao contrário de muitos empresários chineses, não é o tradicional testa de ferro do Governo local. Hoje controla, além da Geely, a Volvo Cars, Proton, Lotus e a London Electric Vehicle Company, ou seja, a empresa que fabrica em exclusivo os tradicionais táxis londrinos. E se pensa que a compra da grande fatia da Daimler foi um esforço financeiro dificilmente repetível, é bom saber que apenas cerca de um mês antes, em fim de Dezembro de 2017, Li pagou 2,7 mil milhões de euros por 8,2% da Volvo AB, os veículos pesados e de construção suecos.

É certo que Shufu adquiriu os 9,69% da Daimler em seu nome, e não da Geely, mas as diferenças não são muitas no hora de saber quem manda. Apesar da Daimler incluir, além da Mercedes e Smart, os camiões americanos da Freighyliner e Western Star, o interesse de Shufu incide na gama de veículos eléctricos que a Mercedes vai lançar a partir de 2020, a quem Li quer aceder e, provavelmente, assinar uma parceria que lhe permita beneficiar – a ele e às suas outras marcas – da tecnologia que eventualmente os alemães possuam. A Mercedes, pelo seu lado, usufruiria da porta aberta pela Geely no mercado chinês, que é o maior do mundo para veículos convencionais e de forma ainda mais notória para carros eléctricos.

Entretanto, nem tudo são rosas e as coisas podem correr menos bem entre a Daimler e o seu novo accionista. Para começar, seja para evitar fazer ondas, ou para sossegar os alemães, Li achou necessário afirmar que não pensava “de momento” reforçar a sua posição na empresa.

Mas como o porta-voz da Daimler, Joerg Howe, achou por bem partilhar que “a Daimler vê a entrada de Shufu no capital como algo positivo, mas que não irá necessariamente conduzirá a qualquer parceria”, revelando que faz questão em manter a associação que já possui no mercado chinês com a BAIC, o que contraria as ambições do empresário chinês, não é de todo impossível que ele regresse ao mercado para comprar mais umas fatias do grupo alemão.

A Daimler tem como os maiores accionistas a Renault, com 3,1%, a Blackrock (5,83%) e a Kuwait Investments (6,8%) e os 9,69% de Li Shufu, com o restante capital disperso por pequenos investidores. Que não serão difíceis de convencer a vender pela quantia certa. E não será impossível para Li chegar aos 20 ou 30%, passando a poder nomear administradores e até chegar a CEO. Uma novela a seguir com atenção, tanto mais que é secular a paciência dos chineses.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)