Mercado

Chinês dono da Volvo é o maior na Mercedes

380

Por 7,3 mil milhões de euros, Li Shufu, o chinês que é dono da Geely e da Volvo, tornou-se o mais accionista da Daimler, a dona da Mercedes e Smart. Ficará Li Shufu por aqui?

No mundo dos negócios, quem tem dinheiro dita as regras. Durante algum tempo, os alemães da Daimler tentaram evitar a entrada dos chineses no seu capital, mas Li é um homem decidido e controla um império que lhe dá acesso a fundos colossais, pelo que os 7,3 mil milhões que pagou pelos quase 10% da Daimler, são apenas tostões.

Li Shufu criou a Geely em 1986 e, ao contrário de muitos empresários chineses, não é o tradicional testa de ferro do Governo local. Hoje controla, além da Geely, a Volvo Cars, Proton, Lotus e a London Electric Vehicle Company, ou seja, a empresa que fabrica em exclusivo os tradicionais táxis londrinos. E se pensa que a compra da grande fatia da Daimler foi um esforço financeiro dificilmente repetível, é bom saber que apenas cerca de um mês antes, em fim de Dezembro de 2017, Li pagou 2,7 mil milhões de euros por 8,2% da Volvo AB, os veículos pesados e de construção suecos.

É certo que Shufu adquiriu os 9,69% da Daimler em seu nome, e não da Geely, mas as diferenças não são muitas no hora de saber quem manda. Apesar da Daimler incluir, além da Mercedes e Smart, os camiões americanos da Freighyliner e Western Star, o interesse de Shufu incide na gama de veículos eléctricos que a Mercedes vai lançar a partir de 2020, a quem Li quer aceder e, provavelmente, assinar uma parceria que lhe permita beneficiar – a ele e às suas outras marcas – da tecnologia que eventualmente os alemães possuam. A Mercedes, pelo seu lado, usufruiria da porta aberta pela Geely no mercado chinês, que é o maior do mundo para veículos convencionais e de forma ainda mais notória para carros eléctricos.

Entretanto, nem tudo são rosas e as coisas podem correr menos bem entre a Daimler e o seu novo accionista. Para começar, seja para evitar fazer ondas, ou para sossegar os alemães, Li achou necessário afirmar que não pensava “de momento” reforçar a sua posição na empresa.

Mas como o porta-voz da Daimler, Joerg Howe, achou por bem partilhar que “a Daimler vê a entrada de Shufu no capital como algo positivo, mas que não irá necessariamente conduzirá a qualquer parceria”, revelando que faz questão em manter a associação que já possui no mercado chinês com a BAIC, o que contraria as ambições do empresário chinês, não é de todo impossível que ele regresse ao mercado para comprar mais umas fatias do grupo alemão.

A Daimler tem como os maiores accionistas a Renault, com 3,1%, a Blackrock (5,83%) e a Kuwait Investments (6,8%) e os 9,69% de Li Shufu, com o restante capital disperso por pequenos investidores. Que não serão difíceis de convencer a vender pela quantia certa. E não será impossível para Li chegar aos 20 ou 30%, passando a poder nomear administradores e até chegar a CEO. Uma novela a seguir com atenção, tanto mais que é secular a paciência dos chineses.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)