Rádio Observador

Burkina Faso

Ataques terroristas no Burkina Faso provocaram 16 mortos

Os ataques de sexta-feira contra o Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA) do Burkina Faso e a embaixada de França em Ouagadougou causaram 16 mortos, disse hoje fonte oficial francesa.

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os ataques de sexta-feira contra o Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA) do Burkina Faso e a embaixada de França em Ouagadougou causaram 16 mortos, disse hoje fonte oficial francesa, citada pela agência noticiosa France-Presse (AFP).

Segundo um novo balanço das autoridades francesas, avançado pelos serviços de segurança, há também a registar 12 feridos graves.

Oito dos mortos são elementos das Forças Armadas burkinabés e outras tantas de assaltantes, acrescentaram as fontes.

Um anterior balanço da AFP deu conta de pelo menos 28 mortos e 85 feridos.

Na manhã de sexta-feira, um grupo de homens armados atacou a zona diplomática e as instalações militares na capital do Burkina Faso, causando vários incêndios e envolvendo-se em confrontos com as forças de segurança.

Na zona diplomática onde ocorreu o ataque encontram-se vários Ministérios (como Negócios Estrangeiros e Economia) e Embaixadas (França, Bélgica e Dinamarca).

Em Ouagadougou, após visitar hoje a sede do EMFA local, atacado com uma viatura armadilhada, o primeiro-ministro burkinabé, Paul Kaba Thiéba, disse ter visto “cenas apocalípticas” e prestou homenagem aos soldados mortos nos ataques.

“Condeno veementemente o atentando terrorista, cobarde, contra o nosso país, pois mais uma vez semeou inutilmente a morte e a desolação. Tenham confiança nas nossas instituições no combate a estes inimigos, que não passam de terroristas”, disse Thiéba, ladeado pelo embaixador de França em Ouagadougou, Xavier Lapeyre de Cabanes.

O diplomata francês, por seu lado, destacou que o ataque terrorista à missão diplomática gaulesa e à sede do EMFA burkinabé, ambos em Ouagadougou, não vai dividir os dois países, mas sim reforçar a cooperação militar bilateral.

Por considerar que se tratava de uma “possível tentativa de homicídio terrorista”, a secção antiterrorista da Procuradoria francesa abriu um inquérito ao ataque, disse o embaixador francês à agência AFP.

Segundo o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, o principal alvo deste ataque era a Embaixada do seu país.

“Até a zona estar totalmente segura, é impossível saber as circunstâncias ou o alcance do ataque”, disse Philippe à imprensa.

Em comunicado, o chefe da diplomacia, Jean-Yves Le Drian, revelou que a equipa de segurança da Embaixada está a trabalhar com as forças locais para “reduzir a ameaça”.

Vítima regular de atentados às suas embaixadas em África, a França reforçou, entretanto, a segurança das suas instalações na região, num trabalho que envolve a polícia e a elite da guarda militar.

Desde o início do século, e essencialmente desde o início da Operação Serval no Mali, em 2013, vários grupos “jihadistas” tentam atingir os interesses franceses na faixa do Sahel e na África Ocidental.

A Operação Serval é uma intervenção militar no Mali iniciada em janeiro de 2013 por forças francesas com o apoio de outros países destinada a travar o avanço de várias organizações extremistas islâmicas associadas a Al-Qaeda.

Nos últimos anos, a capital do Burkina Faso foi alvo frequente de vários atentados de autoria ‘jihadista’, apontados a lugares representativos do Estado (como escolas e esquadras) ou frequentados por ocidentais.

De acordo com os dados mais recentes do Governo burkinabé, desde 2015 até hoje, morreram mais de 70 pessoas devido a ataques de grupos ‘jihadistas’.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)