Uma exposição com testemunhos da ocupação humana da região de Sintra na pré-história foi esta quarta-feira inaugurada pelo Presidente da República, que convidou os portugueses a descobrirem o Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas (MASMO), na zona rural sintrense.

“Temos aqui, de facto, um exemplo do que é museologia com excelência, do que é arqueologia com excelência”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, após inaugurar a exposição temporária “Agricultores e Pastores da Pré-história — Testemunhos da região de Sintra”.

Para o chefe de Estado, o espólio do museu sintrense “tem muito a ver, não apenas com a pré-história, mas depois com o que foi estudado ao longo dos séculos, nomeadamente a partir do Renascimento até aos nossos dias”.

Marcelo Rebelo de Sousa teve como guia o arqueólogo José Cardim Ribeiro, responsável pelo programa museológico, que explicou ao chefe de Estado que “cada peça tem uma história”, seja a contada através das inscrições gravadas na pedra ou a revelada por fontes documentais e de como foi parar ao museu.

No espaço permanente “O Livro de Pedra”, que acolhe os visitantes com sarcófagos etruscos, o arqueólogo foi contando a história de monumentos romanos e traduzindo as inscrições em lintéis ‘visigotistas’, túmulos medievais e outras lápides epigrafadas.

“O que chegou até nós são pedaços do passado”, notou a arqueóloga Teresa Simões, diretora do MASMO, que serviu de cicerone à exposição temporária “Agricultores e Pastores da Pré-história — Testemunhos da região de Sintra”, patente ao público a partir de 08 de março.

A mostra, com mais de meio milhar de peças, será a base do novo espaço museológico “O Claustro do Tempo”, que reúne testemunhos cerâmicos, utensílios de pedra, artefactos metálicos, moedas, vidros e objetos em osso.

A exposição apresenta pela primeira vez ao público um conjunto significativo de objetos desde meados do sexto milénio (Neolítico antigo) até finais do terceiro milénio a.C. (antes de Cristo), correspondente ao Calcolítico final.

O espólio exposto encontra-se repartido em duas partes temáticas, com “O mundo dos vivos: os sítios de ‘habitat'” a exibir vestígios arqueológicos de São Pedro de Canaferrim (atual Penaferrim), dos lapiás das Lameiras e do povoado pré-histórico de Olelas, enquanto “O mundo dos mortos: os sítios de enterramento” é composto por objetos da Anta das Pedras da Granja, do monumento funerário da Praia das Maçãs e da ‘Tholos’ da Várzea de Sintra.

O Presidente fez questão de continuar a visita pela outra exposição temporária do museu, “Diis Manibvs – Rituais da Morte durante a Romanidade”, onde ficou a saber que um esqueleto recuperado de um conjunto de enterramentos descobertos na Granja dos Serrões, que levou ao desvio do projeto de uma estrada, padecia de “muitas doenças” segundo os estudos realizados pela equipa do museu.

Acompanhado pelo presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta (PS), e pelo presidente da União de Freguesias de São João das Lampas e Terrugem, Guilherme Ponce de Leão (Juntos pelos Sintrenses), Marcelo Rebelo de Sousa visitou depois a biblioteca do museu, onde tinha à sua espera um conjunto de antigas obras sobre arqueologia e o “Livro de Honra”, onde deixou um registo da sua presença.

“Tudo isso mostra a centralidade da região de Sintra e mostra a importância deste museu do ponto de vista de recolha, de tratamento, de diálogo internacional, porque fiquei a saber que está ligado em rede a várias instituições em todo o mundo”, comentou o chefe de Estado, admitindo que “não conhecia” o museu e, pelo somatório do que viu, “convidaria os portugueses” a descobrirem o espaço e o que aprendeu durante a visita guiada.

O MASMO remonta, nas suas origens, a meados do século XVI, quando se começou a juntar, em torno da ermida dedicada a São Miguel, uma importante coleção de inscrições romanas.

A Câmara de Sintra, em 1955, por iniciativa de Joaquim Fontes, construiu uma pequena casa para abrigar os vestígios e promoveu a escavação arqueológica e valorização turística e cultural das ruínas romanas adjacentes, e o atual museu, inaugurado em 1999, foi construído com base em projeto de arquitetura de Alberto Castro Nunes e António Maria Braga, com consultoria de Léon Krier.

Antes de deixar o museu, o Presidente da República ainda se disponibilizou para as tradicionais ‘selfies’ com elementos da comitiva, funcionários e jovens visitantes.