Rádio Observador

Mark Zuckerberg

Parlamento britânico quer ouvir Mark Zuckerberg sobre contas usadas pela campanha de Trump

Depois de se ter sabido que a empresa de análise de dados Cambridge Analytica usou a informação de 50 milhões de perfis para a campanha de Trump, o parlamento britânico quer ouvir o líder do Facebook.

Mark Zuckerberg vai ser chamado a depor perante os deputados britânicos

Getty Images

O presidente do comité para a cultura, media e desporto da Câmara dos Comuns do parlamento britânico, Damian Collins, vai chamar o líder da rede social Facebook, Mark Zuckerberg, para depor perante aquele comité, depois de o jornal britânico The Guardian ter divulgado que a empresa Cambridge Analytica recolheu dados de 50 milhões de perfis do Facebook para ajudar a definir a estratégia de campanha eleitoral de Donald Trump.

Segundo o The Guardian, Collins acusa a Cambridge Analytica e o Facebook de terem enganado os deputados daquele comité quando testemunharam pela primeira vez. O parlamentar diz que a empresa de Zuckerberg terá enviado altos funcionários preparados para evitar as perguntas difíceis dos deputados.

“Temos de ouvir as pessoas que podem falar do Facebook a partir de uma posição de autoridade que requer que saibam a verdade. Alguém tem de ter responsabilidade por isto. É altura de Mark Zuckerberg deixar de se esconder por detrás da sua página do Facebook”, declarou Damian Collins.

Esta semana, o The Observer (jornal semanal do The Guardian) publicou uma investigação revelando que a Cambridge Analytica, uma empresa de análise de dados que colaborou com a campanha eleitoral de Donald Trump, utilizou dados de cerca de 50 milhões de contas pessoais — sobretudo de norte-americanos — no Facebook, para prever qual o sentido de voto dos utilizadores.

A informação foi revelada ao jornal britânico por Christopher Wylie, um antigo funcionário da Cambridge Analytica que trabalhou na empresa durante aquele período. “Aproveitámos o Facebook para recolher milhões de perfis e construímos modelos de análise para — através do que ficámos a saber sobre estas pessoas — direcionarmos conteúdos pensados nos seus maiores medos”, assumiu Wylie.

O Facebook respondeu de imediato à polémica, publicando um comunicado em que garantiu que dizer que este episódio é uma “brecha de segurança de dados é completamente falso”, lembrando que a recolha de dados para a Cambridge Analytica foi feita através de uma aplicação que pedia aos utilizadores que dessem o seu consentimento.

Essa aplicação foi desenvolvida por Aleksandr Kogan, um académico da Universidade de Cambridge, e pela sua empresa, a GSR, em colaboração com a Cambridge Analytica, que fez a recolha e tratamento dos dados.

Depois da publicação da notícia, no sábado, o jornal The Observer foi abordado por advogados da rede social Facebook que consideraram que as alegações publicadas eram “falsas e difamatórias” e que a rede social se iria defender legalmente.

Christopher Wylie, que diz estar a tentar “emendar” os erros que diz ter cometido enquanto funcionário da Cambridge Analytica, garante que “o Facebook sabia disto há pelo menos dois anos e não fez quase nada para corrigir”. “Isto não é novo”, sublinhou Wylie, considerando que “as pessoas precisam de saber que este tipo de recolha de dados acontece”.

No mês passado, o Facebook e o presidente da Cambridge Analytica, Alexander Nix, confirmaram ao comité do parlamento britânico que está a investigar a divulgação de notícias falsas online que aquela empresa de análise de dados nunca tinha utilizado informações recolhidas no Facebook.

Contudo, na sexta-feira, o Facebook admitiu, num comunicado, que já em 2015 tinha tido conhecimento de que os perfis foram passados para a Cambridge Analytica, recorda o The Guardian.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)