O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu este sábado que, quem quiser ser Governo, hoje ou no futuro, só o conseguirá com a vitória no combate por uma floresta “melhor preservada e valorizada”. Marcelo frisou a importância de se ganhar “este combate que é nacional, por um Portugal melhor, por uma floresta mais bem compreendida e ainda melhor preservada e valorizada”. As palavras de Marcelo vão direitas a Rui Rio:

É tão importante isso que eu acho que o debate por mais votos, menos votos, é secundário. Quem quer que seja Governo, hoje, daqui a quatro, oito, doze, dezasseis anos, só ganha com a vitória neste combate. Quem achar o contrário é porque não tenciona ser Governo tão depressa”, frisou.

O líder do PSD tinha dito, esta sexta-feira, que a ação de participação na limpeza de matas que o Governo está a fazer “tem algum mérito porque sensibiliza as pessoas”, mas era criticável: “Não somos ingénuos e sabemos que o Governo está a fazer uma ação de marketing para desviar as atenções [do relatório crítico da Comissão Técnica Independente]”, afirmou Rui Rio numa conferência de imprensa.

No final de uma visita à Serra do Castro, no concelho de Viseu, para acompanhar uma ação de limpeza de mato, Marcelo Rebelo de Sousa disse aos jornalistas que “tudo o que seja necessário fazer para sensibilizar as pessoas” para esta questão deve ser feito. “Independentemente de depois haver sobre determinadas ações concretas opiniões diferentes, faz parte da lógica política”, acrescentou, em mais uma alusão indireta ao líder do PSD.

Rio acusa Governo de ter ignorado alerta para dia mais perigoso do ano

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já tinha estado, este sábado de manhã, no Parque Nacional Peneda-Gerês, em Terras de Bouro, distrito de Braga, que a limpeza da floresta para prevenir incêndios é uma “causa nacional”.

É uma causa nacional e esta proximidade da floresta e da importância da floresta é um salto qualitativo importante na nossa sociedade”, disse.

O chefe de Estado esteve também, no Regimento de Infantaria N.º 14, participando em “trabalhos de gestão de combustível e conservação de habitats naturais”. Em declarações aos jornalistas, o presidente disse que a limpeza das matas “é uma causa que todos somados somos poucos e divididos não somos suficientes”. Marcelo acredita que o país se está a preparar para evitar uma tragédia como a do ano passado

O país está a preparar-se mas no sentido amplo do termo. Não nos podemos esquecer das populações, das autarquias”, afirmou.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, “há hoje uma atenção e uma proximidade [à floresta] da parte dos portugueses, todos eles, que não houve no passado”. “Isso é muito bom”, sublinhou.

Tanto Marcelo Rebelo de Sousa como o primeiro-ministro António Costa participam este sábado, em diferentes zonas do país, em várias iniciativas de limpeza de mato e defesa da floresta organizadas em parceria com a Associação Nacional de Municípios Portugueses.