O presidente da mesa da Assembleia Geral do Sporting, Jaime Marta Soares, deu esta manhã de segunda-feira o tiro de partida e os pedidos de demissão de Bruno de Carvalho começam a suceder-se. Pedro Madeira Rodrigues, que concorreu contra o atual presidente do clube leonino nas eleições de 2017, já veio dizer que é “hora de agir”. Mas está longe de ser o único adepto sportinguista a manifestar desconforto face à polémica dos últimos dias.

Em declarações ao Correio da Manhã, Madeira Rodrigues foi curto nas palavras: “Vejo com agrado que agora são muitos e cada vez mais os que dizem o que eu tenho dito há muito tempo… mas agora acabou o tempo das palavras e é hora de agir”. Isto em reação aos processos disciplinares colocados por Bruno de Carvalho aos jogadores que contestaram as suas palavras no Facebook, depois da derrota da equipa de futebol contra o Atlético Madrid nos quartos-final Liga Europa.

Também o antigo dirigente do clube, Dias Ferreira, veio dizer esta segunda-feira, no Fórum da TSF, que “existe algum autismo por parte do presidente do Sporting”. O sportinguista admite que Bruno de Carvalho “não tem condições” para continuar à frente do clube e diz que a sua demissão “é uma das soluções” que tem de estar em cima da mesa nesta altura: “Tenho alguma dificuldade em avaliar todo o problema. Neste momento não consigo compreender a intenção de Bruno de Carvalho. Estamos a assistir a um exemplo típico de uma coisa que leva muito tempo a construir e que em horas se destrói. Nada me levava a pensar numa situação destas”. ”

Não me parece que Bruno de Carvalho esteja bem… parece-me que não tem condições. Tenho muita pena, parece-me que não é Bruno a não querer ver as coisas, mas que neste momento existe algum autismo por parte do presidente do Sporting. É uma situação muito preocupante e perturbante. Para ser justo, estou grato, mas neste momento as minhas dúvidas são sobre qual é a situação. Não consigo raciocinar”, disse Dias Ferreira.

Fernando Mendes, antigo jogador do clube, recordou que “é o futuro do Sporting que está em jogo”. O comentador televisivo afeto aos verde e brancos defendeu que “a demonstração de ontem [domingo] em Alvalade não abona a favor do presidente”. “As coisas estão complicadas para o lado dele e não sei como pode dar a volta a isto”, afirmou Fernando Mendes, que apoia a decisão de se marcar uma nova Assembleia-Geral para decidir a continuidade ou não de Bruno de Carvalho na presidência do Sporting.

Carlos Severino, que também entrou em direto no Fórum TSF, defendeu que “o Sporting não pode ser gerido por um ditador” e que Bruno de Carvalho deveria demitir-se “para bem” do clube. O antigo candidato à presidência dos verde e brancos referiu ainda que esta situação pode servir como “lição para os sócios”, já que “não se pode dar cheques em branco a quem tem de gerir emoções”, numa alusão ao voto de confiança que os sócios do Sporting deram ao presidente do clube na última Assembleia-Geral. Para Carlos Severino, “Bruno de Carvalho precisa de descansar, mostra-se nitidamente afetado”. O sportinguista dirigiu-se depois diretamente ao presidente do Sporting: “Bruno, se és sportinguista, para o bem de todos, demite-te”.

Sérgio Abrantes Mendes, por seu lado, não acredita que o presidente do Sporting se vá demitir. O antigo candidato à presidência do clube de Alvalade colocou em causa a estabilidade emocional de Bruno de Carvalho.

Bruno de Carvalho vai requerer a assembleia e vai outra vez chamar a guarda pretoriana, como é hábito, no sentido de não deixar que as coisas decorram na sua totalidade ordem pública. É isso que vá acontecer. Ele não vai abandonar, porque Bruno de Carvalho tem um problema de personalidade. É um homem que, neste momento, precisa de muita ajuda, não está bem. Não sei do que padecerá, não está bem”, afirmou Abrantes Mendes ao Fórum TSF, na manhã desta segunda-feira.

O sportinguista propôs ainda a possibilidade de incluir todos os sócios num referendo para decidir a continuidade ou não de Bruno de Carvalho.

Paulo Abreu, outro antigo dirigente do Sporting, disse em declarações à Rádio Renascença que “a forma de estar de Bruno de Carvalho deixa a maioria dos sportinguistas envergonhados”. Abreu, que já foi vice-presidente do clube e é membro do Conselho Leonino, recordou que “o Sporting não existe com Bruno de Carvalho, já existia antes dele”. O dirigente, que até apoiou o atual presidente leonino aquando da sua reeleição, defendeu que “há um x número de atitudes que são públicas que são exemplos significativos do estado de desequilíbrio” de Bruno de Carvalho.

Eduardo Barroso: “O Bruno está em burnout

O médico e sportinguista, que apoia Bruno de Carvalho, defendeu o presidente do Sporting em declarações à SIC. Para Barroso, “há um ser humano, um homem que está a ser linchado e que está, como se diz em inglês, em burnout, num stress brutal”, e acrescentou que Bruno de Carvalho lhe disse “há horas que ia acabar com o Facebook para sempre, que era definitivo e que essa é a condição fundamental para ele conseguir ter condições para continuar a ser presidente do Sporting Clube de Portugal”.

Eduardo Barroso atirou ainda críticas aos opositores de Bruno de Carvalho, revelando que o “repugna” que “quem não conseguiu ganhar as eleições” tenha tempo de antena na comunicação social.

Quem são os jornalistas para dizer que ele não tem condições? Ele teve milhares e milhares de votos a favor. Quem me diz que ele não voltaria a ganhar com uma maioria larga? Eu estou a dar a cara por ele, mas não me sirvo desta crise para ir contra ele. Espero que ele tire uma licença de paternidade e que descanse”, explicou o médico.

Foi Marta Soares quem desencadeou reações

O presidente da mesa da Assembleia Geral do Sporting, Jaime Marta Soares, disse esta manhã à TSF que “estão esgotadas as hipóteses da manutenção da atual presidência” do clube, pressionando um pedido de demissão do presidente Bruno de Carvalho. E marcou para esta segunda-feira uma reunião da mesa da Assembleia Geral do clube de Alvalade para tomar uma posição, caso o atual presidente não apresente a sua demissão.

A resposta de Bruno de Carvalho não se fez esperar. No Facebook (ver publicação integral no final deste texto), ripostou dizendo que é ele quem vai pedir uma reunião da Assembleia Geral, para… pedir a demissão de Marta Soares. O Observador sabe que esta segunda-feira haverá uma reunião do Conselho Fiscal e Disciplinar e da Mesa da Assembleia Geral.

“Os sócios deram sinal, disseram o que querem. Por isso, ou alguém, neste caso o próprio Bruno de Carvalho,  toma a melhor atitude, para respeito ao que os sócios querem, ou então utilizaremos toda a nossa competência estatutária para fazer regressar a paz ao Sporting Clube de Portugal”, disse Marta Soares

Sobre esta posição do presidente da mesa da Assembleia Geral, Bruno de Carvalho acusa-o de ter criado “a maior confusão vista na história do Sporting CP ao conduzir de forma infantil e incompetente uma AG”. Encara as declarações de Marta Soares como uma “ameaça” e responde à convocação de uma reunião da mesa da AG com o pedido para uma reunião deste órgão do clube: “Para os sócios se voltarem a pronunciar sobre nós e neste momento, separadamente, sobre os Presidentes da MAG e do CFD. Se os sócios não tiverem a memória curta sairá pela porta pequena como em Poiares”.

O presidente do Sporting também dá conta neste mesmo post que esta segunda-feira espera ainda um comunicado do Conselho Fiscal e Disciplinar: “Hoje parece que vão fazer um comunicado, vão ver os estatutos, vão ver a forma de me deitar um pouco mais abaixo… Graças a Deus que acabou o método de Hondt. Como dizem os adeptos, os dirigentes passam e fica o Clube. Venha de lá esse mimo”.

Já em declarações à rádio Poiares, Marta Soares respondeu à parte da publicação em que foi invocada a Câmara Municipal que liderou durante vários anos: “Meter o nome da minha terra no meio de uma situação destas… O Bruno de Carvalho pensava que era tudo à maneira dele e que ele é que mandava. Ontem [domingo] viu que não é assim, o Sporting está acima de todos. Vamos fazer aquilo que os estatutos definem. É isso que vamos respeitar”.

O presidente do Sporting, enquanto líder do Conselho Diretivo, e o Conselho Fiscal e Disciplinar têm o poder estatutário para convocar, por si, uma Assembleia Geral extraordinária, tendo apenas de formalizar um pedido junto da mesa da AG para que tal aconteça ao abrigo do artigo 51.º, da Assembleia Geral Comum Extraordinária. O que Marta Soares agendou esta segunda-feira não é uma reunião magna, mas sim um encontro de trabalho deste órgão social, a mesa da AG. Nesta reunião, que deverá decorrer ao final do dia, Marta Soares pretende analisar a atual situação numa altura em que a crise em Alvalade se agravou.

Bruno de Carvalho contra-ataca: contesta Marta Soares e pede reunião da Assembleia Geral

“Se querem a minha demissão, há um sítio próprio”

Na conferência de imprensa depois do jogo de domingo, Bruno de Carvalho quis falar aos jornalistas e desafiou quem o contesta: “Se querem a minha demissão há um sítio próprio”. O presidente do Sporting tem mais três anos de mandato, depois de ter sido reeleito presidente, em fevereiro passado, com 86% dos votos. Nessa altura, o presidente  forçou uma relegitimação do poder, depois de ter sido contestado numa (outra) polémica reunião da Assembleia Geral do clube onde levou a votos uma mudança de estatutos questionada pelos sócios.

Na atual polémica, que expôs o choque entre jogadores da equipa de futebol e presidente do clube, já houve uma primeira baixa nos órgãos sociais do Sporting. Jorge Gaspar demitiu-se de vogal do Conselho Fiscal e Disciplinar do clube por entender que as posições de Bruno de Carvalho “não dignificam o Sporting Clube de Portugal, lesam gravemente a sua imagem pública, prejudicam gravemente a marca ‘Sporting’ junto dos nossos parceiros comerciais e patrocinadores, causam danos por ora ainda inestimáveis na esfera desportiva e competitiva das nossas equipas e atletas e contribuem ainda mais para retirar o foco mediático de um conjunto de questões bem conhecidas (incluindo algumas de natureza judicial) que inquietam outras instituições desportivas”, segundo escreveu num comunicado.

Bruno de Carvalho: “Se querem a minha demissão há um sítio próprio”

Entretanto, na página de Facebook de Bruno de Carvalho…

Enquanto eram conhecidas as declarações de Jaime Marta Soares, Bruno de Carvalho disparou mais três tiros num mesmo post da sua página do Facebook — depois acabou por acrescentar um ponto extra dedicado a Marta Soares. O presidente do clube atirou, assim, a quatro pessoas: Jaime Marta Soares; Nuno Silvério Marques, que foi candidato a presidente do Conselho Fiscal e Disciplinar do Sporting nas listas de José Couceiro, em 2013; Jorge Gaspar e ao comunicado que ainda espera esta segunda-feira; Paulo Almeida, por causa de umas crítica que lhe fez na mesma rede social.

Vistas em conjunto, nas três críticas Bruno de Carvalho acaba por deixar dois tipos de acusação aos visados: falta de coerência e vingança pessoal. Na última linha do post o presidente do Sporting ainda atira uma indireta ao Benfica, quando diz que “o SCP não é um certo clube que, para não ter oposição, convida todos para as listas ou dá avenças ou salários”, numa referência à direção de Luís Filipe Vieira.

No dia em que Bruno de Carvalho anunciou que vai ser pai houve lugar a uma outra publicação no Facebook ainda esta manhã. Uma publicação a anunciar que seria a última que faria naquela rede social, para de seguida fechar o seu perfil. “Que este meu afastamento do facebook seja a vossa felicidade…”. Não é a primeira vez que encerra uma discussão assim.

Bruno de Carvalho anuncia afastamento da conta de Facebook