A Suíça e a Suécia estão entre os possíveis cenários para a cimeira inédita que foi anunciada para maio entre o Presidente americano e o líder da Coreia do Norte. Uma fonte conhecedora do assunto, citada pela Bloomberg, diz que os dois países europeus estão a ser equacionados pela Casa Branca. Esta quarta-feira, Donald Trump confirmou que enviou à capital da Coreia do Norte como seu representante o presidente da CIA, a agência de serviços de informação, para um encontro preparatório ao mais alto nível com Kim Jong-Un.

A conversa entre Marco Pompeu e o líder norte-coreano correu sobre rodas e foi criada uma “boa relação” entre os dois, adiantou o presidente americano no Twitter que acrescentou que os detalhes do encontro ainda estavam a ser preparados.

Genebra, na Suíça — país neutral — e uma localidade desconhecida da Suécia — país que faz parte da União Europeia — estão entre os locais que estão a ser considerados, bem como localizações na Ásia e sudoeste asiático. Umas das fontes contactadas pela agência Bloomberg, adianta que o presidente americano não está a incluir nos potenciais locais, Pequim (capital da China), as capitais das duas Coreias, nem o local onde foi assinado o armistício em 1953.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para Suzanne DiMaggio, diretora na New America em Nova Iorque, que ajudou a realizar as negociações que decorreram em Oslo e que permitiram a libertação do cidadão americano, Otto Warmbier, os locais que estão a ser ponderados tornam mais provável a realização desta cimeira. “É tranquilizador ver que a administração Trump está a dar passos sérios para preparar esta interação histórica”, afirmou à Bloomberg.