Exploração Espacial

É oficial: o satélite TESS, que tem mão portuguesa, já está no espaço

O satélite TESS da NASA, em busca de exoplanetas, já está no espaço depois de um lançamento bem sucedido. Há uma equipa de portugueses envolvida no projeto. O foguetão Falcon 9 já regressou a Terra.

NASA

Já foi lançado para o espaço e posto em órbita o Satélite de Rastreio de Exoplanetas em Trânsito (TESS), um veículo espacial concebido pela agência espacial norte-americana que vai para o espaço em busca por mais planetas para lá do Sistema Solar. O lançamento esteve previsto para segunda-feira, mas as equipas técnicas quiseram fazer mais análises de orientação, navegação e controlo que adiaram o lançamento para esta quarta-feira às 23h51 de Lisboa. O satélite terminou uma viagem de 48 minutos e já está em órbita.

O TESS foi desenvolvido pela NASA, mas enviado para o espaço a bordo de um foguetão Falcon 9 da companha privada SpaceX, liderada pelo empresário Elon Musk. O Falcon 9 tem a capacidade de levantar voo, largar carga útil no espaço e depois regressar à Terra em condições favoráveis para ser reutilizado noutras missões espaciais. O regresso do foguetão deve acontecer depois de deixar o satélite na órbita programado. Depois, como é política da casa, o Falcon 9 aterrará em inversão de marcha na plataforma “Of Course I Still Love You”, montada no Oceano Atlântico. Pode rever o lançamento do satélite e o regresso do foguetão à Terra a partir do vídeo aqui em cima.

O satélite que foi para o espaço pretende substituir o telescópio Kepler e abrir caminho ao telescópio James Webb como a máquina mais eficaz alguma vez produzida para caçar planetas para lá do Sistema Solar. Mas há mais um detalhe igualmente entusiasmante neste satélite: é que o projeto em que está incluído onta com a participação de uma equipa de cientistas do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, um dos polos do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, como explicou ao Observador o astrónomo Tiago Campante. Aos portugueses cabe estudar as estrelas para perceber se podem albergar planetas e que características têm — como o tamanho, a massa ou a densidade.

O TESS vai estar dois anos em redor da Terra em busca de potenciais planetas que orbitem estrelas brilhantes na vizinhança do planeta Terra: sempre que um corpo celeste diminuir ligeiramente a luminosidade de uma estrela ao passar entre ela e o satélite, o TESS vai recolher informações sobre esse evento e os cientistas vão concluir se esse corpo é ou não um planeta — um método chamado transição. Espera-se que, em dois anos, o TESS seja responsável por encontrar entre 200 mil e 250 novos exoplanetas, numa missão que pertence a um objetivo maior: saber se há outros planetas com capacidade para ter vida à semelhança da Terra.

A estratégia com que a NASA preparou o TESS é diferente da que foi preparada para o Telescópio Kepler, que está à beira da reforma: enquanto o Kepler concentrou-se numa pequena porção do universo e a estudou até à exaustão para encontrar milhares de planetas, este satélite vai sondar 90% de todo o universo nas vizinhanças do Sistema Solar. É assim que a agência espacial norte-americana pretende não apenas encontrar mais exoplanetas, mas também começar a compreendê-los mais aprofundadamente. É nesse último objetivo que a equipa portuguesa envolvida no projeto vai estar mais afincada.

Mas ainda falta muito tempo até que isso comece realmente a acontecer. O TESS vai precisar de duas semanas para estabilizar na rota estabelecida para ele, algo que depois de conseguido poderá manter durante várias décadas. Isso permitirá prolongar a missão, que está pensada para dois anos, caso os cientistas vejam maior potencial no veículo espacial. Depois disso, a máquina terá de ser testada para se adaptar ao ambiente espacial: provavelmente só a partir de dezembro ou de janeiro do próximo ano é que a máquina vai começar a enviar dados do que está a ver em nosso redor.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Política Científica

Sobre o concurso singular dos projetos FCT de 2017

José Delgado Alves, Cláudia Almeida, Vasco M Barreto, Sílvia Conde, Alisson Gontijo, Rosalina Fonseca, Raffaella Gozzelino, Susana Lopes, César Mendes, Hugo V Miranda, Emília Monteiro, Sofia A Pereira, Mónica Roxo-Rosa, Rita Teodoro e Helena Vieira
192

Já se cumpriu um ano desde a data limite de submissão das candidaturas. Há candidatos que já conhecem o resultado das avaliações, mas existem muitos colegas que não.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)