Exploração Espacial

É oficial: o satélite TESS, que tem mão portuguesa, já está no espaço

O satélite TESS da NASA, em busca de exoplanetas, já está no espaço depois de um lançamento bem sucedido. Há uma equipa de portugueses envolvida no projeto. O foguetão Falcon 9 já regressou a Terra.

NASA

Já foi lançado para o espaço e posto em órbita o Satélite de Rastreio de Exoplanetas em Trânsito (TESS), um veículo espacial concebido pela agência espacial norte-americana que vai para o espaço em busca por mais planetas para lá do Sistema Solar. O lançamento esteve previsto para segunda-feira, mas as equipas técnicas quiseram fazer mais análises de orientação, navegação e controlo que adiaram o lançamento para esta quarta-feira às 23h51 de Lisboa. O satélite terminou uma viagem de 48 minutos e já está em órbita.

O TESS foi desenvolvido pela NASA, mas enviado para o espaço a bordo de um foguetão Falcon 9 da companha privada SpaceX, liderada pelo empresário Elon Musk. O Falcon 9 tem a capacidade de levantar voo, largar carga útil no espaço e depois regressar à Terra em condições favoráveis para ser reutilizado noutras missões espaciais. O regresso do foguetão deve acontecer depois de deixar o satélite na órbita programado. Depois, como é política da casa, o Falcon 9 aterrará em inversão de marcha na plataforma “Of Course I Still Love You”, montada no Oceano Atlântico. Pode rever o lançamento do satélite e o regresso do foguetão à Terra a partir do vídeo aqui em cima.

O satélite que foi para o espaço pretende substituir o telescópio Kepler e abrir caminho ao telescópio James Webb como a máquina mais eficaz alguma vez produzida para caçar planetas para lá do Sistema Solar. Mas há mais um detalhe igualmente entusiasmante neste satélite: é que o projeto em que está incluído onta com a participação de uma equipa de cientistas do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, um dos polos do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, como explicou ao Observador o astrónomo Tiago Campante. Aos portugueses cabe estudar as estrelas para perceber se podem albergar planetas e que características têm — como o tamanho, a massa ou a densidade.

O TESS vai estar dois anos em redor da Terra em busca de potenciais planetas que orbitem estrelas brilhantes na vizinhança do planeta Terra: sempre que um corpo celeste diminuir ligeiramente a luminosidade de uma estrela ao passar entre ela e o satélite, o TESS vai recolher informações sobre esse evento e os cientistas vão concluir se esse corpo é ou não um planeta — um método chamado transição. Espera-se que, em dois anos, o TESS seja responsável por encontrar entre 200 mil e 250 novos exoplanetas, numa missão que pertence a um objetivo maior: saber se há outros planetas com capacidade para ter vida à semelhança da Terra.

A estratégia com que a NASA preparou o TESS é diferente da que foi preparada para o Telescópio Kepler, que está à beira da reforma: enquanto o Kepler concentrou-se numa pequena porção do universo e a estudou até à exaustão para encontrar milhares de planetas, este satélite vai sondar 90% de todo o universo nas vizinhanças do Sistema Solar. É assim que a agência espacial norte-americana pretende não apenas encontrar mais exoplanetas, mas também começar a compreendê-los mais aprofundadamente. É nesse último objetivo que a equipa portuguesa envolvida no projeto vai estar mais afincada.

Mas ainda falta muito tempo até que isso comece realmente a acontecer. O TESS vai precisar de duas semanas para estabilizar na rota estabelecida para ele, algo que depois de conseguido poderá manter durante várias décadas. Isso permitirá prolongar a missão, que está pensada para dois anos, caso os cientistas vejam maior potencial no veículo espacial. Depois disso, a máquina terá de ser testada para se adaptar ao ambiente espacial: provavelmente só a partir de dezembro ou de janeiro do próximo ano é que a máquina vai começar a enviar dados do que está a ver em nosso redor.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)