EDP

Manuel Pinho deverá ter recebido mais 293 mil euros do ‘saco azul’ do GES enquanto foi ministro do Governo Sócrates

1.285

Magistrados do caso EDP tiveram acesso a novos pagamentos feitos pelo GES para uma quarta offshore de Manuel Pinho chamada Mesete II. Afinal, Pinho começou a receber do 'saco azul' desde 2002.

LUSA

Novos documentos enviados pelo procurador Rosário Teixeira, titular da Operação Marquês, permitiram aos magistrados do caso EDP perceber que, afinal, os pagamentos feitos pelo Grupo Espírito Santo (GES) a Manuel Pinho poderão ter chegado a um total de cerca de 2 milhões de euros.

A notícia é da revista Visão que revela que o ex-ministro da Economia do Governo Sócrates recebeu mais de 700 mil euros entre 2002 e 2006 da Espírito Santo (ES) Enterprises, o famoso ‘saco azul’ do GES, através de uma quarta sociedade chamada Meset II.

Instado a reagir pelo Observador, Ricardo Sá Fernandes, advogado de Pinho, afirmou que “desconheço o que quer que seja sobre essa matéria, mas o que houver que ser esclarecido, não deixará de o ser logo que tenhamos acesso aos elementos necessários”. Recorde-se que Manuel Pinho apenas foi constituído arguido no caso EDP pelos crimes de corrupção e de participação económica em negócio mas ainda não foi interrogado e confrontado com os factos que constam dos autos.

Até agora, sabia-se, tal como o Observador noticiou em exclusivo, que Manuel Pinho tinha recebido da ES Enterprises cerca de 1 milhão de euros (exatamente 1.032.511, 86 euros) entre 18 de outubro de 2006 e 20 de junho 2012 através da já igualmente famosa sociedade offshore chamada Tartaruga Foundation, com sede no Panamá. Sempre através de uma transferência mensal do mesmo valor: 14.963,94 euros.

Ou seja, enquanto foi ministro da Economia do Governo Sócrates, mandato que exerceu entre março de 2005 e julho de 2009, Pinho recebeu um total de cerca de 508 mil euros. 

Tais transferências, de acordo com o procurador Carlos Casimiro e Hugo Neto terão sido realizadas “por ordem de Ricardo Salgado” ao “aqui arguido, ex-ministro da Economia, Manuel Pinho”. Para os magistrados, a explicação para esses pagamentos é clara: “Beneficiar esses grupos empresariais [Banco Espírito Santo/Grupo Espírito Santo] e a EDP (do qual o BES era acionista) durante o tempo em que exerceu tais funções públicas” no Governo de José Sócrates.

Estes factos fizeram com que Ricardo Salgado, ex-presidente executivo do BES, tivesse sido constituído arguido no caso EDP no dia 20 de abril, tal como Observador já tinha antecipado.

Além deste 1 milhão de euros recebido entre 2006 e 2012, que terá servido para financiar a compra de um apartamento em Nova Iorque em junho de 2010 por cerca de 1,2 milhões de dólares e que se encontra registado em nome da sociedade offshore Blackwade Holding Limited, Pinho também recebeu cerca de 315 mil euros entre 2012 e 2014 da ES Enterprises mas sem ser através de sociedades offshore. De acordo com as informações contidas em documentos da ES Enterprises que o Observador começou a revelar desde janeiro, as transferências foram realizadas para contas abertas em nome pessoal de Manuel Pinho no Banque Privée Espírito Santo (BPES), o banco suíço do GES. Nesse período, Pinho foi vice-presidente do BES África.

Os dados agora noticiados indicam que os pagamentos do ‘saco azul’ do GES para a Meset II iniciaram-se, no mínimo, a partir de julho de 2002, quando Manuel Pinho era administrador executivo do BES e de várias sociedades do GES. Quando tomou posse como ministro do Governo Sócrates e até criar a sociedade offshore Tartaruga Foundation, a Mesete II continuou a receber transferências regulares do GES.

Segundo a Visão, Manuel Pinho terá recebido cerca de 793 mil euros enquanto foi ministro da Economia através das suas sociedades offshore Mesete II e Tartaruga Foundation. Isto é, cerca de 293 mil euros através de Meset II e cerca de 500 mil através da Tartaruga.

Das quatro sociedades offshore detetadas em nome de Manuel Pinho, só uma, chamada Mandalay Asset Management Corporation, ainda não tem registos de circuitos financeiros nos autos do caso EDP.

Acrescentadas declarações de Ricardo Sá Fernandes, advogado de Manuel Pinho, às 22h15.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt
Empresas

Accionista e operador de máquinas: bons amigos?

Rui Esperança

A perpetuação do modelo da melhoria dos resultados das empresas à custa dos salários baixos e do consequente enriquecimento dos accionistas tem de mudar. Sem as pessoas, as empresas são pouca coisa.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)