435kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Co-fundador do WhatsApp anuncia a saída da empresa. Há rumores de incompatibilidade com políticas do Facebook

Este artigo tem mais de 4 anos

Jan Koum despediu-se alegando que estava na altura de "seguir em frente". O Washington Post afirma que o empresário estava "desgastado" pelas filosofias do Facebook, que detém a empresa desde 2014

i

AFP/Getty Images

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Jan Koum, o co-fundador do WhatsApp — o sistema de troca de mensagens que o Facebook comprou por 19 mil milhões de dólares em 2014, a sua maior aquisição de sempre — anunciou que vai abandonar a empresa.

Segundo notícia da CNBC, Koum utilizou a sua conta pessoal de Facebook para avisar que está na hora “de seguir em frente” e de dedicar o seu tempo a outras áreas que não a tecnologia. “Vou continuar a torcer pelo WhatsApp — mas do lado de fora”, escreveu.

O jornal The Washington Post afirma que Koum vai abandonar o conselho diretivo do WhatsApp e do Facebook — rede social que se recusou a comentar com a CNBC qual seria o seu papel dentro da gigante empresa de Mark Zuckerberg.

A saída de Jan Koum acontece numa altura crucial para o Facebook, dado que a empresa encontra-se num processo complicado associado ao escândalo da Cambridge Analytica e da manipulação de dados nas eleições norte-americanas (e não só). Koum sempre fez questão de lutar pelo direito à privacidade: em 2014 escreveu sobre como foi crescer na antiga URSS e o medo constante de ter o KGB a controlar comunicações pessoais.

Mark Zuckerberg sobre Cambridge Analytica: “No final do dia, se alguém é responsável, sou eu”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O post desta segunda-feira, 30 de abril, não mencionou qualquer tipo de preocupações ligadas ao tema da privacidade nem explicou o seu papel dentro do Facebook. Contudo, segundo o Washington Post, Koum estava “desgastado pelas diferenças de abordagem” no que toca a assuntos ligados a data targeting, encriptação, lucros provenientes de publicidade e pagamentos por telemóvel.

Mark Zuckerberg, o CEO do Facebook, já reagiu à decisão de Koum e utilizou a sua conta pessoal para transmitir gratidão ao co-fundador do WhatsApp, afirmando que o empresário lhe ensinou muito sobre “encriptação e a sua capacidade de retirar poder a sistemas centralizados, devolvendo-o às mãos do povo.”

“Esses valores vão estar sempre no coração do WhatsApp”, concluiu.

Veja aqui a publicação de Jan Koum:

E aqui a de Mark Zuckerberg:

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.