Incêndios

GIPS têm falta de equipamento de proteção e de material: “Rádios, telemóveis, computadores, impressoras… Não existem”

A uma semana de estarem formados os militares que vão reforçar as equipas de combate aos incêndios não há condições de trabalho: faltam viaturas e equipamentos - nem luvas têm.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O Governo vai contar com mais 1.070 militares que vão reforçar as equipas de combate aos incêndios — os GIPS (Grupos de Intervenção de Proteção e Socorro), mas estes militares, que se encontram agora em formação, não têm meios, nem sabem quando vão ter, e não conhecem ainda as colocações definitivas para os meses que se avizinham. A notícia é avançada pelo Público, que teve acesso a um email interno do comandante desta força.

A 15 de maio, quando os militares terminarem a formação, não haverá “Equipamento de Proteção Individual (EPI) — capacete, cogula, luvas, farda, etc. –, nem viaturas para os transportar”, lê-se no email enviado pelo major Cura Marques aos seus homens. Só nessa altura vão ficar a conhecer “as vagas e colocações de todos os militares dos GIPS”.

Estes homens vão integrar as equipas transportadas para incêndios nos helicópteros da Proteção Civil, sempre que forem acionados, e são eles que vão fazer parte do ataque inicial aos incêndios, com a ajuda de helicópteros e ferramentas manuais e dos bombeiros locais, antes de chegarem outras forças — o objetivo é evitar que os fogos tomem proporções gigantes.

O comandante prevê que “com alguma sorte à mistura” os militares tenham “uma farda por militar, botas, cogula, óculos e capacete no dia 20 de maio” e sublinha que só haverá uma farda porque “não há tecido em Portugal para mais nesta altura”. Cura Marques acrescenta: “Esclareço também que nesta altura provavelmente não vai haver luvas (estamos a pensar em soluções ‘imaginativas’ para solucionar este problema. Até agora não vemos luz ao fundo do túnel)”.

A 1 de junho, e de acordo com as previsões do major da GNR, é possível que não haja ainda equipamento para todos os militares, pelo que vão ser na mesma distribuídos pelos 33 centros de meios aéreos em vários pontos do país, mas apenas para patrulha — o combate só se faz se houver “militares com EPI em número suficiente”. Só em julho, já com a época de incêndios em período crítico, o GIPS terá “a possibilidade” de ter tudo para poder trabalhar a 100%. Ao Público, o Ministério da Administração Interna (MAI) diz que “estão a decorrer os procedimentos habituais para aquisição de novos equipamentos” e que os “militares terão o equipamento necessário e indispensável para o cumprimento da sua missão”.

O Governo assegurou esta quarta-feira que os GIPS serão dotados dos equipamentos de proteção individual necessários ao combate aos fogos. Contactado pela agência Lusa, fonte do MAI sublinhou que “tudo está a ser feito para o garantir [a disponibilidade do equipamento]”. A mesma fonte adianta que as “viaturas atualmente existentes permitem o início da missão”, adiantando ainda que o “dispositivo será progressivamente reforçado, com entregas periódicas pelos fornecedores de novas viaturas, destinadas ao ataque inicial e ao ataque ampliado e contratadas a 9 de abril”. O MAI lembra que o GIPS duplica, este ano, a sua capacidade em meios humanos e alarga a sua intervenção a todo o território nacional.

“Rádios, telemóveis, computadores, impressoras… não existem”

Não é só o equipamento individual que está em falta: “Para complicar mais um bocado a nossa vida falta ainda dizer-vos o ponto de situação sobre material e viaturas. Rádios, telemóveis, computadores, impressoras… Não existem”, escreve o comandante. E explica depois que há alguns rádios usados que “talvez” possam utilizar e alguns telemóveis (eventualmente um por centro de meios aéreos). Os GIPS vão receber alguns computadores usados da Brigada de Trânsito, mas que “não são maus”.  Material para as zonas de descanso, como cadeiras, mesas e armários, também não existe em todos os locais e é “um problema sem fim à vista”.

Quanto ao reforço das viaturas de transporte, que o primeiro-ministro tinha anunciado, ainda não existem — talvez em “junho, julho” possa haver “algumas pickups“. Os 77 carros que existem vão, assim, ser distribuídos. Já “só para agosto”, acredita o comandante, os militares estarão prontos para o chamado ataque ampliado (ATA), depois dos 90 minutos de ataque inicial, que pretende não deixar os incêndios chegar a grandes proporções.

A quase um mês do início do verão, e a uma semana de estarem formados os militares para o reforço do combate aos incêndios, a situação dos GIPS é crítica. O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, foi confrontado pelos partidos, na terça-feira, relativamente às incoerências na preparação da próxima época de incêndios, tendo dado respostas evasivas sobre os atrasos na contratação de meios aéreos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Extremismo

A caixa de Pandora

Luís Filipe Torgal

Não é preciso ser historiador, mas é necessário saber História, para compreender que a humanidade está prestes a colidir de novo com um icebergue. Os sinais não enganam. 

Política

O MOV 5.7 /premium

João Marques de Almeida
291

Nos últimos 25 anos, as direitas têm servido para limpar a casa socialista quando a festa chega ao fim. Depois da casa arrumada e limpa, os socialistas regressam para mais festa. Não tem de ser assim.

Inovação

O papel e o valor das Cidades em Portugal

Bruno Curto Marques

No Portugal do século XXI, a estratégia para as cidades passa menos por escrever e reescrever os tradicionais planos estratégicos de desenvolvimento, e olhar para as cidades de outra forma.

Cristianismo

Para que na Quaresma não fiquemos na mesma

Filipe Samuel Nunes

Hipátia ensina diferente. A Quaresma não tem apenas a ver com deixer de comer chocolate ou deixer de ingerir álcool por 40 dias. Quaresma tem tudo a ver com a minha peregrinação Cristã.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)