Volkswagen

Esqueça os carros. O que a VW fabrica mais é disto

140

Pode esquecer os carros pequenos e os grandes, os desportivos e os mais baratinhos. O que a VW produz em maior quantidade é mesmo salsichas e ketchup. E não é de hoje, pois a prática já tem 45 anos.

Confesse que por esta é que não esperava. A Volkswagen, a marca líder do maior grupo do mundo, no que respeita à produção de automóveis, veículos comerciais ligeiros e camiões, fabrica mais salsichas por ano do que carros. Pensa que estamos a brincar? Nada disso. E até que lhe podemos dizer que as salsichas, de vários tipos e à venda em tudo o que é pequenas mercearias e grandes supermercados na Alemanha, até têm direito a número de peça, como se fosse uma cabeça do motor, uma válvula ou até um turbocompressor.

Há pouco tempo dissemos-lhe aqui que a Porsche fabricava mel, vendendo-o ao público nos seus centros de atendimento ao cliente, ao lado das carteiras, porta-chaves e blusões. O que se compreende e aplaude, uma vez que há cada vez menos abelhas e, sem elas, a vida no planeta está ameaçada, pois nada assegura a polinização como elas. Mas no capítulo das coisas “esquisitas” a que os fabricantes se dedicam, nada se equipara à produção de salsichas, ketchup e afins, tudo o que se pode necessitar para uma refeição tipicamente alemã, a que eventualmente falta o chucrute. A novidade é que esta actividade, que poucos conhecem, especialmente fora da Alemanha, é uma prática antiga, que este ano cumpriu 45 anos de actividade.

A Volkswagen tem instalações fabris espalhadas por esse mundo fora e há mesmo uma cidade, Wolfsburg, a 5ª maior da Baixa Saxónia e uma das mais ricas da Alemanha em termos de rendimento per capita, que cresceu em redor da sua principal fábrica e sede. Mas a unidade produtiva mais curiosa do construtor germânico fica exactamente paredes-meias com as dos automóveis em Wofsburg e consegue a proeza de fabricar, desde 2015 e com apenas 30 pessoas – na maioria talhantes –, mais salsichas do que os quase 650 mil empregados da VW produzem de veículos com quatro rodas. Em 2017, por exemplo, a VW “encheu” 6,8 milhões de salsichas, enquanto os carros não ultrapassaram os 6,1 milhões de unidades.

É claro que a VW ‘não dá ponto sem nó’ e, nos refeitórios das fábricas alemãs – bem como em 11 diferentes países –, a maioria prefere refeições à base de salsichas, com a VW a fornecer as suas, dizendo tratar-se de uma receita caseira. E, em abono da verdade, é isso mesmo, pois estão a jogar em “casa”.

O sucesso é tal que, em 2015, já produzia mais de 7 milhões de salsichas, ou seja o dobro do que saía da máquina dos enchidos em 2008. A marca alemã, além de assegurar que a receita é própria, garante que os porcos são criados em engordados localmente, para gáudio dos empregados, que os devoram de todas as maneiras e feitios. Mas o pormenor mais “gostoso” é o facto de a salsicha ter o número de peça 199 398 500A, à semelhança dos outros milhares de peças que são necessárias para produzir um automóvel. Sendo que esta é a única que necessita de frio, para chegar ao cliente final em boas condições.

Se modelos diferentes na VW é coisa que não falta, nas salsichas as variedades não abundam. A currywurst é a mais popular, mas a VW não esqueceu os vegetarianos, pelo que já há uma versão em que o porco cedeu o seu lugar aos legumes. Mas como o molho é o mesmo, a diferença no sabor é mínima. Porque uma salsicha não se come sem molho, a Volkswagen produz igualmente o ketchup para acompanhar a currywurst, fechando o menu.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)