Moçambique

Governo moçambicano vai dar prioridade ao combate aos raptos e assassínios

O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, afirmou que o combate aos raptos e assassínios será uma prioridade para o Governo.

ANTÓNIO SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, afirmou esta quinta-feira em Maputo que o combate aos raptos e assassínios será uma prioridade para o Governo, considerando importante a coordenação com a justiça na luta contra a criminalidade.

“O Governo reafirma o seu compromisso de continuar a priorizar ações que visem prevenir e combater atos criminais, tais como raptos, assassínios e roubos”, disse Carlos Agostinho do Rosário na Assembleia da República.

Em resposta a perguntas dos deputados sobre a criminalidade no país, o primeiro-ministro apontou ainda o reforço da capacidade operativa das forças da lei e ordem para fazer face, de forma eficaz, a todos os tipos de crime que minam o processo de desenvolvimento social e económico de Moçambique. “Encorajamos as forças da lei e ordem a continuarem a trabalhar afincadamente na prevenção, combate e no esclarecimento dos diferentes tipos de crime e que os seus autores sejam levados à barra da justiça”, assinalou Carlos Agostinho do Rosário.

O combate ao crime, prosseguiu, impõe a coordenação entre os órgãos da administração da justiça e todos os segmentos da sociedade.

O primeiro-ministro moçambicano não respondeu em concreto a perguntas das bancadas da oposição sobre o estado das investigações em torno de crimes que visaram figuras com posições críticas ao Governo e à Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, nos últimos anos.

A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, queria esclarecimentos do executivo em torno das investigações ao homicídio do constitucionalista Gilles Cistac (2015), ao rapto e ferimento a tiro do académico e comentador José Macuane (2016) e ao rapto e espancamento do jornalista e comentador Ericino de Salema (em março). Até hoje, os casos continuam por esclarecer.

O executivo moçambicano terminou hoje uma sessão de dois dias de respostas a perguntas dos deputados das três bancadas da Assembleia da República. Além da Renamo, tem assento no parlamento moçambicano a Frelimo, bancada com a maioria, e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro partido.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Uma semana portuguesa, com certeza /premium

Alberto Gonçalves

É impressionante como os socialistas exibem uma ignorância tão vasta em todos os domínios terrestres e, não obstante, conseguem acumular pequenas fortunas pessoais e, para cúmulo, governar tão bem. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)