Colômbia

Procurador-geral colombiano diz que país está “inundado em coca”

O procurador-geral da Colômbia, Fernando Carrillo, disse esta quinta-feira que o país está "inundado em coca" e que é preciso repensar as políticas para acabar com os cultivos ilegais.

Presidency of Colombia / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O procurador-geral da Colômbia, Fernando Carrillo, disse esta quinta-feira que o país está “inundado em coca” e que é preciso repensar as políticas para acabar com os cultivos ilegais.

Carrillo disse aos jornalistas que o país vive “inundado em coca, especialmente nas áreas fronteiriças”, o que obriga a pensar num novo método, diferente da substituição voluntária, para pôr fim aos cultivos ilegais.

Em maio do ano passado, o Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, lançou um plano de substituição das plantações de coca, componente base da cocaína, para aplicar o acordo de paz assinado com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e terminar meio século de conflito armado.

Para Fernando Carrillo, o plano que oferece uma solução para os cultivadores de coca, de modo a que a substituam por produtos legais, não se tem mostrado eficiente. “Se de agora em diante, e como se tem verificado, a estratégia não funcionar, há que pensar noutras soluções”, disse.

O procurador-geral sublinhou que nas regiões onde o cultivo de coca aumentou, “há também uma crescente presença do crime organizado, grupos armados e cartéis internacionais”. “Onde há cartéis, crime organizado, pouca presença do Estado, a corrupção domina”, acrescentou.

O antecessor de Carrillo na Procuradoria Geral da República Alejandro Ordóñez já havia alertado, em 2015, que a Colômbia estava “a nadar em coca”.

O cultivo de coca na Colômbia aumentou 52% em 2016, tendo a área de plantação passado dos 96 mil para os 146 mil hectares, de acordo com um estudo, divulgado em julho passado, pela Agência das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC). Em relação à produção de cocaína, o mesmo estudo calculou um aumento de 34%, de 646 toneladas em 2015, para 866 toneladas em 2016.

A ONU também sublinhou que o preço por quilo de folhas de coca aumentou 43% relativamente às estimativas de 2013, “o ano em que a tendência começou a ser de aumento da área plantada”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Uma semana portuguesa, com certeza /premium

Alberto Gonçalves

É impressionante como os socialistas exibem uma ignorância tão vasta em todos os domínios terrestres e, não obstante, conseguem acumular pequenas fortunas pessoais e, para cúmulo, governar tão bem. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)