Rádio Observador

Governo

Siza Vieira abriu empresa imobiliária 24h antes de tomar posse

721

O ministro Adjunto do Primeiro-Ministro abriu uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse. Pedro Siza Vieira acumulou funções de ministro com a gerência de uma empresa.

NUNO VEIGA/LUSA

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

Pedro Siza Vieira, ministro Adjunto desde outubro de 2017, abriu uma empresa imobiliária um dia antes de começar a exercer funções no Governo de António Costa, avança o Eco. O jornal consultou a declaração de rendimentos que o governante entregou no Tribunal Constitucional (TC), onde consta o registo desta sociedade. Pedro Siza Veira começou por ser gerente (não remunerado) da empresa de “compra e venda de bens imobiliários”, um cargo ao qual já renunciou, muito embora ainda detenha 50% do capital.

Um dia antes de iniciar funções, Siza Vieira registou a sociedade Prática Magenta, Lda, com o capital social de 150 mil euros. Tanto ele como a mulher, Ana Cristina Siza Vieira, detêm cada um 50% da sociedade, cuja morada corresponde ao apartamento onde ambos vivem, na zona das Amoreiras, em Lisboa.

De acordo com o mesmo jornal, através de uma consulta à base de dados Racius, fica a saber-se que a Prática Magenta se dedica à “compra, administração e venda de imóveis próprios e alheios, incluindo o arrendamento, bem como a prestação de serviços conexos ou complementares”.

Para além disso, a empresa terá também atividade de consultoria e organização de eventos de “interesse empresarial”.

O problema poderá estar na lei que rege as incompatibilidades dos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos, que especifica que a titularidade de cargos políticos é “incompatível com quaisquer outras funções profissionais remuneradas ou não, bem como com a integração em corpos sociais de quaisquer pessoas coletivas de fins lucrativos“.

Questionado pelo ECO, Siza Vieira diz não encontrar qualquer impedimento tendo em conta as suas funções no Governo e a quota de 50% na respetiva empresa. Fonte oficial do gabinete do ministro garantiu ainda ao mesmo jornal que, após a tomada de posse e da entrega da declaração no TC, Siza Veira “renunciou à gerência” e que a “retificação está no registo de interesses entregue na Assembleia da República”, enviado a 31 de janeiro de 2018.

Segundo o Eco, não é claro o período de tempo em que Siza Vieira acumulou a gerência da empresa e as funções no Executivo de Costa.

O ministro Siza Vieira tem estado debaixo dos holofotes, nos últimos dias. O PSD já enviou um conjunto de perguntas sobre o pedido de escusa do ministro-Adjunto de matérias relativas ao setor elétrico, nomeadamente para saber se o Código de Conduta do Governo foi cumprido.

Em causa está a notícia do semanário Expresso que revelou que Pedro Siza Vieira se encontrou com representantes da China Three Gorges, quando já integrava o executivo e antes do anúncio da Oferta Pública de Aquisição (OPA) desta empresa chinesa à EDP. A China Three Gorges é hoje cliente da sociedade de advogados Linklaters de que o ministro-Adjunto foi sócio até entrar para o Governo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)