Rádio Observador

Caso José Sócrates

Sócrates à Visão: “Lamento que o PS se junte às vozes da direita numa condenação sem julgamento; isso é um ato ignóbil”

199

Sócrates considera que o PS, com o “seu silêncio”, foi "cúmplice dos abusos" contra si no processo Marquês, numa entrevista à revista Visão em que explicita que a sua relação com Costa "não existe".

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ex-primeiro-ministro José Sócrates considera que o PS, com o “seu silêncio”, foi “cúmplice dos abusos” cometidos contra si no processo Marquês, numa entrevista à revista Visão em que explicita que a sua relação com António Costa “não existe”.

Lamento que o PS se junte às vozes da direita numa condenação sem julgamento; isso é um ato ignóbil. Mesmo na questão do Manuel Pinho (ex-ministro da Economia), o PS não se comportou como devia”, argumenta ao ex-líder socialista.

Na entrevista à Visão, que irá para as bancadas na quinta-feira, Sócrates volta a justificar a sua desfiliação do PS com a necessidade de evitar um “embaraço mútuo”, mas vai mais longe e diz não admitir certo tipo de declarações a camaradas seus.

“Não admito esse tipo de declarações a camaradas meus e tínhamos de acabar com esse embaraço mútuo”, acentua o ex-secretário-geral do PS numa entrevista de seis páginas.

Em vésperas do 22.º Congresso Nacional do PS e menos de um mês depois de se ter desfiliado, José Sócrates admite que o mal-estar com o partido já vinha de trás.

É sabido que eu tinha um incómodo com o PS, que este se devia ao facto de o PS, com o seu silêncio, ser, de certa forma, cúmplice de todos os abusos cometidos contra mim: a detenção para interrogatório, a prisão para investigação, a campanha de difamação baseada na violação do segredo de justiça. E o silêncio embaraçante que permitiu que um juiz assumisse, numa entrevista, uma posição de completa parcialidade”, sublinha.

E José Sócrates continua: “E, sim, o mal-estar já vinha de antes. O PS foi cúmplice desses abusos. Tive essa consciência, mas nada disse. Eu próprio recomendei a distância. Só que este processo é excecional, teve uma motivação exclusivamente política. Teve e tem”, acusa.

Questionado sobre a sua relação com o atual secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, José Sócrates responde: “Está como há quatro anos: não existe”.

Colocada a questão se a visita que Costa lhe fez na prisão de Évora foi “uma encenação”, José Sócrates reage com exaltação e com perguntas e exclamações “como pode pensar isso”, “está a perguntar mal” ou “presume mal”.

Desculpe lá! Presume mal! A minha relação com António Costa não existe, mas não pode dizer que a visita foi um gesto de hipocrisia! Permitir-se insinuar isso é obsceno! Eu tinha uma relação política e pessoal que estes anos extinguiram! É só isto!”, conclui o ex-chefe do Governo.

José Sócrates, único líder do PS a conseguir uma maioria absoluta, anunciou a sua desfiliação no passado dia 04 num artigo de opinião publicado no Jornal de Notícias.

Foi primeiro-ministro entre 2005 e 2011 e enfrenta agora, tal como outros arguidos, acusações do Ministério Público de diversos crimes económico-financeiros, nomeadamente de corrupção, no âmbito de diversos processos judiciais, tendo estado detido preventivamente entre 2014 e 2015.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)