Seguros

Uber passa a dar seguros a motoristas

120

Os motoristas independentes da Uber com mais de 150 viagens vão ter, a partir 1 de junho, acesso gratuito a seguro para acidentes em viagem, "doenças graves e ferimentos, maternidade ou paternidade".

O seguro vai estar disponível para condutores com um mínimo de 150 viagens nas últimas 8 semanas

Através de uma parceria com a agência de seguros Axa, a Uber anunciou, em Paris, durante a conferência Tech for Good, organizada pelo presidente francês Emmanuel Macron, que vai passar a disponibilizar para todos os motoristas europeus um seguro para “custos e perdas de rendimentos” que decorram em acidentes de viagem. De forma a cativar os motoristas independentes a continuarem a trabalhar para a plataforma, o seguro cobre também ” doenças graves e ferimentos, maternidade ou paternidade e outras situações”.

Para se poder receber os benefícios do seguro, o motorista tem de ter feito, no momento em que pede a ativação do seguro, 150 viagens nas oito semanas antecedentes. Ou seja, excluindo os fins de semana, cerca de três/quatro viagens por diárias (oito semanas igual a 56 dias, menos os fins-de-semana — 8 dias — igual a 48 dias, a dividir por 150 viagens, igual 3,125 viagens diárias). No caso das mães que pedem pagamento por maternidade (1000 euros) o seguro entrega um pagamento único de mil euros (é necessário, para isso, ter feito 300 viagens nos seis meses antecedentes).

Segundo Dara Khosrowshahi, presidente executivo da Uber, o objetivo deste seguro é dar aos “motoristas e estafetas a tranquilidade que querem, mantendo a flexibilidade que tanto valorizam”. Num comunicado sobre a nova medida, que reencaminha para as informações necessárias para os motoristas, a empresa afirma que chama “parceiros” aos motoristas, mas nem sempre tem agido dessa forma.

Um pouco por todo o mundo, a empresa tem recebido queixas de motoristas por não conceder garantias suficientes a estes trabalhadores. Em Portugal, em março, a empresa passou a disponibilizar a opção de “gorjeta” para os motoristas terem a acesso a maiores compensações. A lei que passará a regular este setor de mobilidade foi vetada no final de abril pelo Presidente da República. O diploma que agora vai ser reapreciado na Assembleia consagra mais garantias aos motoristas destas empresas a operar em Portugal, uma medida que teve grande consenso no Parlamento.

A Uber vai ser a primeira empresa de serviços de mobilidade através de aplicação a oferecer gratuitamente aos motoristas este tipo de proteção em Portugal. Contactada pelo Observador, a Taxify afirmou que garante que as empresas com que trabalha tenham os seguros legais obrigatórios necessários para empresa de frota (Seguro de Responsabilidade Civil e Seguro de Acidentes Pessoais) e de veículo (Seguro e Transporte de Passageiros), algo que a Uber também já faz. Já a Cabify, afirmou que disponibiliza “benefícios aos parceiros e motoristas que operam através da plataforma”, passando por “condições vantajosas para contratações de seguros ou de alugueres de veículos, entre outros”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)