Seguros

Uber passa a dar seguros a motoristas

120

Os motoristas independentes da Uber com mais de 150 viagens vão ter, a partir 1 de junho, acesso gratuito a seguro para acidentes em viagem, "doenças graves e ferimentos, maternidade ou paternidade".

O seguro vai estar disponível para condutores com um mínimo de 150 viagens nas últimas 8 semanas

Através de uma parceria com a agência de seguros Axa, a Uber anunciou, em Paris, durante a conferência Tech for Good, organizada pelo presidente francês Emmanuel Macron, que vai passar a disponibilizar para todos os motoristas europeus um seguro para “custos e perdas de rendimentos” que decorram em acidentes de viagem. De forma a cativar os motoristas independentes a continuarem a trabalhar para a plataforma, o seguro cobre também ” doenças graves e ferimentos, maternidade ou paternidade e outras situações”.

Para se poder receber os benefícios do seguro, o motorista tem de ter feito, no momento em que pede a ativação do seguro, 150 viagens nas oito semanas antecedentes. Ou seja, excluindo os fins de semana, cerca de três/quatro viagens por diárias (oito semanas igual a 56 dias, menos os fins-de-semana — 8 dias — igual a 48 dias, a dividir por 150 viagens, igual 3,125 viagens diárias). No caso das mães que pedem pagamento por maternidade (1000 euros) o seguro entrega um pagamento único de mil euros (é necessário, para isso, ter feito 300 viagens nos seis meses antecedentes).

Segundo Dara Khosrowshahi, presidente executivo da Uber, o objetivo deste seguro é dar aos “motoristas e estafetas a tranquilidade que querem, mantendo a flexibilidade que tanto valorizam”. Num comunicado sobre a nova medida, que reencaminha para as informações necessárias para os motoristas, a empresa afirma que chama “parceiros” aos motoristas, mas nem sempre tem agido dessa forma.

Um pouco por todo o mundo, a empresa tem recebido queixas de motoristas por não conceder garantias suficientes a estes trabalhadores. Em Portugal, em março, a empresa passou a disponibilizar a opção de “gorjeta” para os motoristas terem a acesso a maiores compensações. A lei que passará a regular este setor de mobilidade foi vetada no final de abril pelo Presidente da República. O diploma que agora vai ser reapreciado na Assembleia consagra mais garantias aos motoristas destas empresas a operar em Portugal, uma medida que teve grande consenso no Parlamento.

A Uber vai ser a primeira empresa de serviços de mobilidade através de aplicação a oferecer gratuitamente aos motoristas este tipo de proteção em Portugal. Contactada pelo Observador, a Taxify afirmou que garante que as empresas com que trabalha tenham os seguros legais obrigatórios necessários para empresa de frota (Seguro de Responsabilidade Civil e Seguro de Acidentes Pessoais) e de veículo (Seguro e Transporte de Passageiros), algo que a Uber também já faz. Já a Cabify, afirmou que disponibiliza “benefícios aos parceiros e motoristas que operam através da plataforma”, passando por “condições vantajosas para contratações de seguros ou de alugueres de veículos, entre outros”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)