Crianças

Milhares de sites ensinam crianças a fingirem doenças para faltar às aulas

344

Milhares de páginas na internet ensinam truques às crianças para enganar os pais e faltar às aulas: fingir dores de barriga, inventar problemas de pele ou fazer vomitado falso são algumas das dicas.

MARIO CRUZ/LUSA

Milhares de páginas na internet ensinam truques às crianças para enganar os pais e faltar às aulas: fingir dores de barriga, inventar problemas de pele ou fazer vomitado falso são algumas das dicas.

Há sintomas de doenças que são fáceis de fingir, mas, na internet, também se encontram manhas muito mais elaboradas: Numa pesquisa pela frase “truques para faltar às aulas” surgem mais de 5,8 milhões de resultados.

Existem sites com longos textos e explicações detalhadas, há páginas com curtos esclarecimentos, mas também relatos em tom irónico. No Youtube, multiplicam-se os vídeos assistidos por milhões de pessoas: “5 desculpas para faltar a aula” tem mais de oito milhões de visualizações e “10 Desculpas para não ir à Escola” foi visto mais de cinco milhões de vezes.

Na página “Como fingir estar doente para não ir à escola” aprende-se a simular febre, enxaquecas, dores de estômago, náuseas e cólicas, mas também diarreia, vómitos ou uma erupção cutânea.

O caso do Francisco

Francisco, de 11 anos, já tentou usar uma dessas técnicas. Ainda não eram sete da manhã quando se levantou para preparar uma mistela semelhante a comida fermentada pelos ácidos do estômago. “Misturei bolachas com vinagre e depois espalhei pela sanita”, contou à Lusa, explicando que “o vinagre dá aquele cheiro parecido com o vomitado”.

Acordados pelo som de um vómito, os pais saltaram da cama e quando chegaram à casa de banho não desconfiaram de nada. Estavam criadas as condições para não ir à escola. Mas a mãe encontrou um frasco de vinagre fora do sítio e estranhou. Confrontado pelos pais, ficou em silêncio, não negou e acabou por ir para a escola.

À Lusa, Francisco diz que foi a primeira vez que tentou usar um truque da net e que na escola quase todos os seus colegas também já o fizeram e com sucesso.

“Com alguma facilidade as crianças encontram uma desculpa para faltar às aulas. Dizem que têm uma dor de cabeça ou de barriga, porque sabem que dizer simplesmente que não querem ir à escola não será aceite pela família”, explica o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP), Jorge Ascensão.

Jorge Ascensão desvaloriza os casos pontuais em que um aluno acorda um dia de manhã sem vontade de ir às aulas, mas alerta os pais para os casos de crianças que sistematicamente arranjam desculpas para faltar à escola. “É preciso perceber o que se passa, porque existe sempre uma razão”, sublinha, lembrando que pode ser um problema na relação com colegas, professores ou funcionários, pode ser um caso de ‘bullying’ ou dificuldades de aprendizagem.

As situações pontuais estão, muitas vezes, relacionadas com irresponsabilidade: Não estudaram para um teste, não fizeram o trabalho de casa ou vão ter uma disciplina que não gostam.

No caso do Francisco, o jovem decidiu ludibriar os pais porque tinha uma apresentação oral para a disciplina de Inglês que não tinha preparado. “Achei que ia ser uma vergonha e não queria ir”, recorda à Lusa.

O caso de Leonor

Leonor, aluna do 8.º ano, conta à Lusa que faltou uma vez porque não se sentia suficientemente preparada para ter um bom desempenho no teste. Uma forte dor de barriga foi a desculpa que deu aos pais e que lhe garantiu mais uns dias para estudar. Na internet também se aprende a enganar professores e enfermeiras das escolas para conseguir regressar a casa antes do fim das aulas, dizendo que não se sente bem, que está com tonturas ou que acabou de vomitar.

Mas, também os pais podem recorrer à internet e descobrir se estão a ser enganados: No site “WikiHow como fazer de tudo” existe uma página sobre “Como detetar alguém fingindo estar doente para matar aula”.

Se a criança tiver um computador, um ‘tablet’ ou algo para usar internet, verifique o histórico. Se vir algo sobre como fingir estar doente, então está fingindo”, refere o site.

“As crianças geralmente fingem estar doentes em dias em que há provas, aula de educação física ou outras matérias ‘desagradáveis'”, lê-se na página.

Jorge Ascensão admite que, algumas vezes, também as crianças precisam de uma folga da escola, mas é preciso garantir que tal não se torna um hábito.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
3.311

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)