Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1. Poucas vezes se terá visto um líder político tão resiliente como Theresa May.

À vista desarmada, o seu acordo com a União Europeia é um nado-morto. Foi aprovado pelo Conselho Europeu, é certo, mas tratou-se mais de um acto de benevolente leniência do que propriamente de uma escolha convicta. No dia 25 de Novembro, os 27 não podiam deixar de estar cientes de estar a concordar com um acordo destinado a nunca ser.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.