438kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Quase 70% dos militantes do Podemos querem que Iglesias se mantenha na liderança

Este artigo tem mais de 3 anos

Já se conhecem os resultados da votação pela permanência de Pablo Iglesias e Irene Montero nos cargos que ocupam no Podemos. Perto de 70% dos militantes querem o casal à frente do partido espanhol.

Pablo Iglesas pôs o cargo à disposição na sequência da polémica do chalé de 540 mil euros
i

Pablo Iglesas pôs o cargo à disposição na sequência da polémica do chalé de 540 mil euros

AFP/Getty Images

Pablo Iglesas pôs o cargo à disposição na sequência da polémica do chalé de 540 mil euros

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Mais de metade militantes do Podemos (68,42%) disse querer que Pablo Iglesias continue na liderança do partido espanhol e que Irene Montero se mantenha como porta-voz parlamentar, na sequência da polémica do chalé de 540 mil euros. Dos perto de 189 mil militantes que participaram no plebiscito convocado pela liderança do partido — que tem quase 500 mil inscritos–, apenas 31,58% considerou que Iglesias e Montero deviam abandonar os respetivos cargos, refere o El País.

Os membros do Podemos foram chamados a votar a permanência do casal na liderança do partido depois de ter sido revelado que Iglesias e Montero tinham pedido um empréstimo para comprar uma vivenda em Galapagar, nos arredores de Madrid, no valor de 540 mil euros. O valor elevado do chalé de Iglesias (como tem sido chamado) provocou indignação e houve até quem recuperasse um antigo tweet do secretário-geral em que este criticava o ex-ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, pela compra de uma casa de 600 mil euros.

Foi o próprio casal que decidiu marcar o plebiscito, realizado ao longo desta semana, colocando o lugar à disposição. “Se nos mandarem demitir, demitimo-nos”, garantiu Iglesias na conferência de imprensa onde anunciou a decisão, acresentando que, se fosse essa vontade da maioria, ele e a mulher abandonariam também o cargo de deputados no Parlamento espanhol.

Mas não foi isso o que aconteceu. De acordo com o El País, a participação na votação desta semana é até a maior de sempre no partido. Pablo Iglesias foi reeleito como secretário-geral do Podemos graças ao voto de 155.275 militantes. Este plebiscito teve a participação de 188.176 inscritos, um triunfo para o dirigente que tinha considerado que uma baixa adesão seria “um fracasso absoluto” que o obrigaria a demitir-se.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.