Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A startup tecnológica portuguesa Huub anunciou esta segunda-feira que fechou uma ronda de investimento de 2,5 milhões de euros, liderada pela Pathena, uma das maiores sociedades de capital de risco portuguesa.

Fundada em 2015 por Tiago Paiva, Pedro Santos, Tiago Craveiro e Luís Roque, a Huub gere a logística e operações de marcas de moda a nível global, permitindo que estejam apenas concentradas no design das novas peças e nas vendas. A startup conta com armazéns em Portugal e na Holanda e já distribui para mais de 85 países. Segundo o diretor-executivo da HUUB, Luís Roque, o investimento e a parceria com a Pathena fazem da empresa uma das “protagonistas europeias na indústria das cadeias de abastecimento.”

A Huub planeia investir metade deste investimento na área comercial, tendo como objetivo, explicou Luís Roque, “crescer de cerca de 50 para 200 marcas” até ao final de 2019. “Vamos criar uma máquina de vendas focada na aquisição e retenção que nos levará a ter receitas acima dos 400 mil euros por mês”, disse.

A Huub, que em 2016 tinha levantado um investimento de 350 mil euros, quer investir principalmente na tecnologia, marketing e vendas. Um dos produtos já criados pela empresa é aplicação de gestão Spoke, que oferece “uma visibilidade total da operação às marcas que mantém o controlo sobre o negócio, entregando todo o trabalho operacional” à HUUB, explicou o diretor-executivo.

Além de querer lançar mais apps e desenvolver “novos algoritmos”, que “irão tornar a cadeia de abastecimento” das marcas “cada vez mais eficiente”, a empresa procura crescer ao expandir o seu cenário de integrações “tanto com os novos parceiros logísticos especializados” nos mercados que têm como alvo, como com novos fornecedores “de lojas de ecommerce e marketplaces“, referiu Luís Roque.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR