Rádio Observador

Eutanásia

As críticas do Bloco que irritaram o PCP

791

No debate sobre a despenalização da eutanásia, Mariana Mortágua colou os comunistas a Cavaco Silva e a Assunção Cristas. PCP devolveu críticas e sugeriu que o Bloco não pensa pela própria cabeça.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

Comparações a Cavaco Silva, referências a Assunção Cristas e acusações de demagogia. O debate sobre a despenalização da eutanásia desta terça-feira acabou por ficar também marcado pela troca de argumentos entre bloquistas e comunistas. Mariana Mortágua, do Bloco de Esquerda, tomou a palavra para acusar o PCP de se juntar aos que apostam numa “estratégia do medo” e de desinformação; o comunista António Filipe reagiu dizendo que o PCP, ao contrário de outros, pensa sempre e só pela “sua cabeça”.

Os dias que antecederam o debate já tinham sido marcados pela tensão crescente entre os dois partidos. Quando os comunistas revelaram o seu sentido de voto no debate de terça-feira fizeram-no através de um comunicado em que sustentavam a sua posição de princípio, fundamentalmente, em dois aspetos: na dignidade da vida em todas as suas circunstâncias e na recusa de um Estado que oferece a morte sem garantir “uma vida com condições materiais dignas em todas as suas fases”.

O comunicado do PCP não era apenas o reflexo da posição de princípio do partido. Havia também uma crítica explícita aos que procuram, através de um tema como este, alimentar “protagonismos e agendas políticas promocionais”. Uma crítica — a de sede de protagonismo —  que o PCP tem feito recorrentemente ao Bloco de Esquerda, desde os primeiros dias do partido fundado por Francisco Louçã, Luís Fazenda, Fernando Rosas e Miguel Portas. No editorial do Avante! sobre o tema, essa acusação era recuperada, sem que o destinatário final fosse concretizado. “[A despenalização da eutanásia] tem como principal sustentáculo um movimento de opinião com forte apoio mediático, visando consagrar o direito à morte na forma de eutanásia como pretensamente mais digna”, escreveram os comunistas.

Do lado do Bloco de Esquerda, as críticas foram tão ou mais duras, com vários bloquistas a aproveitarem as redes sociais para censurarem a posição do PCP. Um artigo publicado no site do PCP, em que se sugere que na Holanda há “idosos com maiores rendimentos que emigram para as zonas de fronteira com a Alemanha para evitarem a possibilidade de serem eutanasiados”, foi partilhado ad nauseam por vários protagonistas ligados ao Bloco. À cabeça, Francisco Louçã: “Não é Opus Dei, é o PCP a escrever esta fábula: os ricos holandeses fogem do país com medo de serem eutanasiados. Cria vergonha alheia e não imaginei nunca que um partido como o PCP chegasse a este ponto”, escreveu o fundador do partido no Facebook.

As farpas de Mariana Mortágua: Cavaco, Cristas e Saramago

O debate levava já mais de 90 minutos quando António Filipe interveio finalmente para fundamentar a oposição do PCP aos quatro diplomas que propunham a despenalização da morte assistida. O deputado comunista discursou durante mais de 15 minutos, sendo que o grupo parlamentar já tinha pedido dois minutos d’Os Verdes (PEV) para intervir. Acabou por esgotar o seu tempo, não assegurando margem para responder a qualquer questão que viesse a ser colocada — o contraditório previsto no regimento da Assembleia da República. Foi o que bastou para motivar a primeira crítica de Mariana Mortágua.

Tenho pena que o senhor deputado António Filipe tenha preferido esgotar o seu tempo, não deixando tempo para debate”, começou por dizer a bloquista. Era um anúncio do que aí vinha.

No seu discurso, Mariana Mortágua acusou depois o PCP de usar uma “estratégia do medo, inventando “que a eutanásia é imposta a idosos ou a doentes mentais”. “O senhor deputado que leu os projetos e sabe que isso é uma mentira grotesca”, interpelou a bloquista.

O ataque da bloquista acabaria por atingir proporções de insulto para um partido como o PCP quando Mariana Mortágua comparou a posição dos comunistas às de Cavaco Silva, Isilda Pegado e Assunção Cristas. “A nossa diferença é sobre a escolha política. Se a consciência de Cavaco Silva, da Isilda Pegado, do deputado António Filipe ou da deputada Assunção Cristas determina que, independentemente do sofrimento, a vida só é digna se for até ao último sopro determinado por Deus ou pela sua condição física, eu respeito essa consciência”, ironizou Mortágua, provocando alguns protestos na bancada do PCP.

O golpe de misericórdia pensado por Mariana Mortágua veio pelas palavras de José Saramago, que chegou a ser um militante convicto do PCP antes de se ir afastando, progressivamente, do partido, sem que houvesse espaço, ainda assim, para uma rutura formal. Disse Mariana Mortágua: “Lembre-se das palavras de Saramago sobre Ramon Sampedro: ‘Ninguém tem o direito de dizer a uma pessoa, você vai ficar aí, ligado a esses tubos.  Devemos aceitar-lhe a morte porque é isso que a pessoa quer. Não matamos, mas respeitamos quem nos diz por favor ajudem-me’”.

A intervenção de Mariana Mortágua, a mais dura crítica dirigida ao PCP na tarde de terça-feira, causou um incómodo generalizado na bancada comunista. O que aconteceu a seguir foi prova dessa tensão evidente: António Filipe fez uma interpelação à mesa, lamentando o facto de “um grupo parlamentar” ter feito uma pergunta “sabendo que não tinha tempo para responder” e perguntando se o Bloco disponibilizava algum do seu tempo para que pudesse responder.

Com Ferro Rodrigues a tentar mediar a situação, Pedro Filipe Soares acusou o comunista de “ter dado a entender” que o Bloco só tinha feito aquela intervenção por saber “de antemão que [António Filipe] não ia ter tempo para responder”. “É falso”, sugeriu. Ainda assim, os bloquistas decidiram conceder “30 segundos para a resposta”. “Agradeço encarecidamente os 30 segundos”, devolveu, ácido, António Filipe.

O deputado comunista voltou a defender a posição de princípio do PCP — a valorização da vida e o Estado como garante da dignidade em todas as fases da doença — e fez mais uma crítica implícita (e recorrente) ao Bloco de Esquerda, cuja coerência do projeto político os comunistas sempre contestaram. “Nós pensamos pela nossa cabeça e não tomamos as nossas oposições por oposição seja a quem for”, rematou António Filipe. Um duelo singular visto à lupa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
2.827

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)