País

Portugal continua com o gás mais caro da UE e mantém 2.º lugar no preço da luz

633

Portugal manteve, em 2017, os preços mais elevados da União Europeia no gás e o segundo lugar no preço da eletricidade, em termos de paridade do poder de compra, segundo o Eurostat.

ANT

Portugal manteve, em 2017, os preços mais elevados da União Europeia (UE) no gás e o segundo lugar no preço da eletricidade, em termos de paridade do poder de compra, segundo o Eurostat. De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, Portugal está no segundo lugar da tabela dos preços mais altos da eletricidade expressos em paridade do poder de compra (28,0 PPC por 100 quilowatt-hora, kWh), logo depois da Alemanha (28,8) e seguido da Bélgica (26,4), da Roménia (26,0) e da Polónia (25,4).

Os mais baixos observaram-se na Finlândia (13,0% PPC), no Luxemburgo (13,4) e na Holanda (14,0). No que respeita aos preços do gás, Portugal é o país onde este é mais caro (10,0 PPC por 100 kWh), seguindo-se a Espanha (9,6), a Itália (8,9), a Suécia (9,5) e a República Checa (8,3). Os consumidores no Luxemburgo são os que pagam menos (3,3 PPC por 100 kWh), seguindo-se os do Reino Unido (4,5) e da Bélgica (5,1).

Por outro lado, mais de metade do que se paga na conta da luz em Portugal (52%) corresponde a taxas e impostos, sendo que os residentes na Alemanha contribuem mais (55%) e os em Malta são os menos taxados (5%). As taxas e impostos do gás representam, em Portugal, 27% do preço, sendo a Holanda o país com maior carga fiscal (51%) e o Reino Unido com a menor (9%).

No segundo semestre de 2017, face ao mesmo período de 2016, em Portugal, o preço da eletricidade baixou 3,0% e o do gás 2,0%. Já em 2016, Portugal tinha os preços mais altos do gás e os segundos mais altos da eletricidade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)