Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo juntou-se à comunidade islâmica e partilhou quebra de jejum no Ramadão

1.383

O Presidente da República juntou-se esta segunda-feira à comunidade islâmica, na Mesquita Central de Lisboa, para partilhar o "iftar", a quebra do jejum diário no mês do Ramadão, após o pôr-do-sol.

HUGO DELGADO/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, juntou-se esta segunda-feira à comunidade islâmica, na Mesquita Central de Lisboa, para partilhar o “iftar”, a quebra do jejum diário no mês do Ramadão, após o pôr-do-sol.

Perto das nove da noite, descalço, na sala de orações, ao lado do presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa, Abool Vakil, e do imã da Mesquita Central de Lisboa, o xeque David Munir, o chefe de Estado partilhou com eles tâmaras e água.

À sua volta, dezenas de muçulmanos registavam esse momento simbólico, de telemóveis na mão, e alguns tentavam fazer ‘selfies’ com o Presidente da República mesmo enquanto decorria a oração.”Este é um momento de respeito, solidariedade, partilha, entendimento”, diria, mais tarde, Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado ficou cerca de quinze minutos na sala de orações e de seguida calçou-se, atravessou o pátio interior da mesquita, sempre rodeado de gente, e desceu ao espaço de refeições.

Pelo caminho, o Presidente da República contou que esta é a primeira vez que partilha o “iftar” e assinalou “uma certa convergência” com o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, referindo que “ele próprio jejuou durante um dia para manifestar a sua solidariedade durante o período do Ramadão”. Questionado se também jejuou esta segunda-feira, respondeu que sim, acrescentando: “É como tudo na vida, não é propriamente difícil, é uma escolha, é uma opção. E, neste caso, é uma solidariedade, é uma partilha”.

No espaço de refeições, Marcelo Rebelo de Sousa cumprimentou e tirou sucessivas fotos com as mulheres que jantavam em mesas compridas num espaço à parte, separado por painéis, e com os homens, até perto das dez da noite, hora a que se sentou para jantar com membros de outras confissões religiosas convidados para esta cerimónia.

Dirigindo-se à comunidade muçulmana, o chefe de Estado declarou: “É para mim uma honra, como representante de todos os portugueses, estar aqui com tantas e tantos portugueses, dos melhores que temos, naquilo que é uma partilha sem qualquer tipo de limitação, mas com compreensão, com fraternidade e com afeto”.

Segundo o Presidente da República, “de facto, Portugal quer verdadeiramente viver, e vive todos os dias, o espírito que está na Constituição, que é realmente a liberdade religiosa e o convívio inter-religioso” e fá-lo de “forma exemplar”. Contudo, defendeu que há que olhar para os “exemplos de xenofobia, de intolerância, de incompreensão” pelo mundo fora e ter a consciência de que esta “é uma luta que tem de passar de geração em geração e tem de ser construída por todos, todos os dias”. “Daí o significado da minha presença, também”, afirmou.

Portugal tem cerca de 50 mil muçulmanos. O Ramadão é um período de jejum, que deve ser cumprido entre a alvorada e o pôr-do-sol, e de maior dedicação à espiritualidade, celebrado anualmente no nono mês do calendário islâmico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)