Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O antigo líder do banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, terá recebido 25.431 euros por mês do saco azul do Grupo Espírito Santo (GES), além do seu salário como presidente do BES, avança o Correio da Manhã. Ao todo, cerca de 38 pessoas terão recebido dinheiro da Espírito Santo Enterprises (ESE), uma empresa do GES que o Ministério Público suspeita que transferiu salários e comissões num esquema de fuga a impostos.

A Shu Tian de Salgado, os ramos da família Espírito Santo e o saco azul do GES

O montante de 25.431 euros mensais transferido para Ricardo Salgado é o mais elevado numa lista com um encargo total mensal de 190 mil euros. Neste documento, que foi enviado de um processo de investigação ao GES do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) para o caso Operação Marquês, não é possível saber durante quanto tempo os visados receberam estes montantes. Contudo, esta lista da ESE refere-se a um período entre dezembro de 2006 e fevereiro de 2007.

Como o Observador já tinha noticiado, segundo extratos bancários de uma conta na Suíça da mesma empresa, de outubro de 2006 a junho de 2012, conhecidos através de uma certidão da Operação Marquês, Ricardo Salgado terá ainda recebido — “quase todos os meses” — entre um máximo de 16.039 e e um mínimo de 7.694 euros, tendo recebido um total de 405 mil euros.

Os documentos do ‘saco azul’ do GES: 20 milhões a mais de 50 altos funcionários

A lista com 38 beneficiários incluiu nomes ainda como João Martins Pereira, antigo responsável do Departamento de Compliance e de Auditoria do BES, que terá recebido 15.441 euros mensais, e Rui Silveira, antigo administrador executivo responsável pelo departamento juridíco do BES, que terá recebido 14.941 euros.

Manuel Pinho recebeu 315 mil euros do ‘saco azul’ do GES