Rádio Observador

Saúde

Parlamento aprova uso terapêutico de canábis

2.246

A legalização do uso de produtos feitos à base de canábis para fins medicinais foi aprovada por todas as bancadas parlamentares, com a abstenção do CDS.

MUJAHID SAFODIEN/AFP/Getty Images

O Parlamento aprovou esta sexta-feira a legalização do uso de produtos feitos à base de canábis (Cannabis sativa) para fins medicinais. O debate dos projetos do BE e PAN sobre esta matéria aconteceu no início deste ano, mas não havia maioria para aprovar, já que PSD, CDS e PCP se opunham aos projetos que estavam em cima da mesa. A discussão seguiu diretamente para a comissão de Saúde, sem votação, e foi aí que foi encontrado acordo mais alargado, com o PSD e o PCP a verem aceites propostas de alteração aos projetos iniciais.

A legalização do uso de “medicamentos, preparações e substâncias à base da planta de canábis  para fins medicinais” acabou, assim, aprovada por todas as bancadas, com a abstenção do CDS. No texto final da lei ressaltam algumas alterações importantes: a legislação não prevê o uso terapêutico da planta, mas apenas dos preparados; a aprovação da comercialização desses preparados tem de ser feita pelo Infarmed; e, não é possível ao utilizador fazer produção da planta e preparados.

Na verdade, o uso terapêutico de medicamentos à base de canábis já era possível em Portugal. O Infarmed aprovou, em 2012, o medicamento Sativex, uma solução para pulverização bucal, do laboratório GW Pharmaceuticals. Este medicamento está indicado para aliviar os sintomas de rigidez muscular associados à esclerose múltipla. Apesar de aprovado, o medicamento ainda não é usado, possivelmente devido estigma associado ao consumo de canabinóides. Espera-se que a nova legislação altere essa situação.

No final da votação, o PCP fez uma declaração de voto, com a deputada Carla Cruz a reforçar que a aprovação desta iniciativa faz com que o uso de canábis “não possa ser utilizado para legitimar ou favorecer o seu uso para fins recreativos”. Já no Bloco de Esquerda, o deputado Moisés Ferreira saudou o a aprovação “pela qual muito doentes esperavam”, sublinhando ainda que o texto final veio “reforçar o papel do Infarmed”. Já cá fora, em declarações aos jornalistas, o mesmo deputado explicou que “há mais do que evidência científica a sustentar esta posição”, mas que os doentes que poderiam beneficiar da terapêutica “estavam impedido de aceder” a ele por “não haver um enquadramento legal em Portugal”. E deu ainda exemplos concretos de pessoas a quem se pode destinar a nova legislação: “Pessoas que estão a fazer tratamento oncológicos, pessoas com doenças neuro-musculares, pessoas com formas graves e severas de epilepsia”.

O que mudou desde janeiro e possibilitou a aprovação?

Durante os trabalhos na comissão de Saúde houve alterações que foram desde o título do projeto até à data da entrada em vigor da nova lei, com o Bloco a aceitar as alterações que foram propostas por PCP e CDS. Ao todo foram aceites sete propostas de alteração do PSD (praticamente todas as apresentadas pelo partido e muitas delas decorrente da alteração logo ao objeto da lei) e quatro do PCP (oito foram rejeitadas) relativamente aos projetos que já se conheciam desde o início do ano.

O título da lei passou de “regula a utilização da planta e produtos à base da planta de canábis para fins medicinais” para “regula a utilização de medicamentos, preparações e substâncias à base da planta de canábis  para fins medicinais”. Uma proposta do PSD a que nenhum dos partidos com assento na comissão de Saúde se opôs. Isto fez com que, em vez da legalização da utilização direta da planta, seja antes legalizado o uso de “preparações e produtos à base da planta da canábis” para fins terapêuticos.

Os sociais-democratas também quiseram detalhar as condições de venda do produto nas farmácias: “Só o farmacêutico, ou quem o substitua na sua ausência ou impedimento, pode aviar as receitas” e se estas “já tiverem sido aviadas não o podem ser novamente”. No congresso do PSD que consagrou a nova liderança — que se realizou no final de fevereiro (entre o primeiro debate e esta votação) — o deputado do partido e médico Ricardo Batista Leite apresentou uma moção sectorial com o título “Legalize” que defendia uma “legalização responsável e segura” de canábis. O partido aprovou-a no congresso.

Já o  PCP viu ser aceite uma alteração que faz com que “os medicamentos e preparações à base de canábis estão sempre sujeitos a autorização emitida pelo Infarmed“. Ou seja, que a Autoridade Nacional do Medicamento tem sempre de se pronunciar sobre os medicamentos em questão, como tem de o fazer com todos os outros medicamentos comercializados em Portugal. PS e Bloco de Esquerda não estavam de acordo com a alteração, mas os votos do PSD, CDS e PCP chegaram para aprová-la.

Os comunistas também queriam que coubesse à mesma entidade “regular, supervisionar e fiscalizar as atividades de produção, extração e fabrico, comércio, distribuição às farmácias hospitalares, importação e exportação, trânsito, aquisição, venda e entrega dos medicamentos e preparações à base de canábis com fins terapêuticos e medicinais”, mas o CDS e o PCP opuseram-se a essa alteração. A produção de medicamentos e preparações ficará assim sob a responsabilidade do Laboratório Militar.

Os comunistas também conseguiram ainda definir regras para a venda destes produtos a menores, garantindo que se a receita se destinar a um “menor de idade ou pessoa inabilitada ou interdita, a mesma deve ser concedida apenas a quem detiver e comprovar a tutela legal respetiva” (o PSD tinha uma proposta idêntica, mas acabou por retirar permitido a aprovação da do PCP). Ficou ainda definido que a lei venha a entrar em vigor no primeiro dia do mês seguinte à sua publicação. Após este momento, o Governo terá ainda 60 dias para a regulamentar.

Artigo atualizado às 14h45 com declarações de deputados do PCP e BE

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

O Seguro Público de Saúde

Fernando Leal da Costa

O seguro público é uma questão de esquerda contra a direita? Não é! Será impopular? Provavelmente para uma parte da população. Os Portugueses não gostam de pagar. Quem gosta?

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)