Pedro Santana Lopes foi convidado para liderar a nova comissão de gestão do Sporting, não tendo dito logo que não. Pensou, ponderou, aconselhou-se com várias pessoas e optou por recusar. O convite de Jaime Marta Soares, apurou o Observador, foi feito na quarta-feira à tarde, e o ex-primeiro-ministro e ex-presidente do Sporting disse numa primeira fase que ia pensar no assunto mas na quinta-feira de manhã já tinha uma resposta negativa. As insistências da parte do grupo de Marta Soares duraram o dia todo de quinta-feira, até à hora de jantar, mas Santana manteve a decisão.

A notícia do convite foi avançada esta sexta-feira pelo Jornal Económico, e confirmada pelo Observador. Segundo aquele jornal, que cita fonte próxima do processo, Santana Lopes foi “convidado na quarta-feira à noite e aceitou”, mas “no dia seguinte de manhã acabou por dizer que, afinal, não podia aceitar”. Segundo o Observador apurou, o convite foi feito durante a tarde de quarta-feira, não tendo o ex-candidato à liderança do PSD dito nem que sim nem que não.

Na quinta-feira de manhã, depois de ter dormido sobre o assunto, Santana Lopes falou com o presidente da Mesa da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares, e terá dito que não estava disponível para liderar aquele organismo, criado na sequência da suspensão preventiva aplicada à direção de Bruno de Carvalho. As insistências da parte de Marta Soares e pessoas próximas duraram todo o dia de quinta-feira, tendo Santana Lopes chegado a encontrar-se com aquele grupo à hora de jantar para “explicar as razões para não aceitar”.

As razões terão a ver com o perfil indicado para liderar o clube nesta fase de transição, enquanto a direção está suspensa, tendo Santana Lopes explicado aos interlocutores nesta quinta-feira à noite que o Sporting precisa de uma personalidade mais “low profile”, que não dê aso a mais polémicas e histórias associadas. Santana Lopes concorreu no início do ano à liderança do PSD, tendo perdido para Rui Rio. Foi primeiro-ministro entre 2004 e 2005, e foi presidente do Sporting entre 1995 e 1996 — convidado por José Roquete.

Como o Observador noticiou, o mesmo convite foi endereçado a Eduardo Barroso na quarta-feira à noite. “Recebi um telefonema, não posso dizer de quem, mas era mandatado para esse efeito, para me convidar para a Comissão de Gestão. Estava no carro, com a chamada em voz alta, e a minha mulher, ao lado, até se indignou pela forma como respondi”, confirmou o cirurgião ao Observador.

Eduardo Barroso confirma convite para Comissão de Gestão. “É uma provocação miserável”

Eduardo Barroso mostrou-se até bastante indignado com o convite, que considerou “uma provocação miserável”, e fez duras críticas a Marta Soares. “Não faz sentido estarem a convidar-me para uma Comissão de Gestão com a qual estou em profundo desacordo. É um golpe inaceitável. Sou um defensor de eleições, tirei o meu apoio a Bruno de Carvalho, mas para dar voz aos sócios. Isto não é dar voz aos sócios, é aquilo que quiseram que eu fizesse no tempo de Godinho Lopes”, disse.

Bruno de Carvalho viabiliza AG de 23 de junho

Esta quarta-feira, Marta Soares anunciou que a Comissão de Gestão seria conhecida nas próximas horas, e foi nessa altura que endereçou os convites. Na altura, Jaime Marta Soares disse que tudo seria “feito de acordo e com respeito pelos estatutos”. A necessidade de uma Comissão de Gestão surgiu depois de a Comissão de Fiscalização designada pela Mesa de Assembleia Geral do Sporting ter decretado a suspensão preventiva do Conselho Diretivo do Sporting, uma decisão com efeitos imediatos.

Sporting. “Expulsão” de Bruno de Carvalho de sócio abre divisões na Comissão de Fiscalização