Tech Auto

Software português vai ser “o cérebro” da BMW

305

A Critical Software e o Grupo BMW anunciam a criação de uma empresa conjunta. Objectivo vai para além do software dos carros, estendendo-se à mobilidade do futuro e ao próprio “foco” da companhia.

Amanhã, a empresa portuguesa Critical Software comemora 20 anos de existência. Mas hoje teve, num comunicado de imprensa, a melhor prenda que poderia oferecer a si própria: o anúncio da criação de uma empresa em conjunto com o Grupo BMW. É oficial: chama-se Critical TechWorks e não, não vai desenvolver “o carro do futuro”. Vai, isso sim, estabelecer as bases para que a mobilidade do futuro – conectada e partilhada – possa ser uma realidade em breve, com software “português” on-board e off-board. Mas, na prática, o que é que isto quer dizer?

A nota enviada à imprensa oferece algumas pistas. A Critical TechWorks “focar-se-á em áreas de especialização como a inteligência artificial, big data [grande volume de dados que, mediante o software que o analise, pode definir o tipo de cliente ou perfil de utilização, o que é crucial para o desenvolvimento de novos produtos], fábricas inteligentes, conectividade dos veículos e serviços de car-sharing”. Dito de maneira mais simples, a empresa portuguesa vai tratar de, em conjunto com a BMW, permitir que o construtor bávaro se imponha como “a referência” no automóvel do amanhã, em que a noção de propriedade tenderá a eclipsar-se e a automação da condução, total ou parcial, vai gerar novos desafios.

A BMW quer ser um player inspirador. Quer posicionar-se como o fabricante que mostra o caminho a seguir e isso passa pela transformação digital de uma marca que se sempre se impôs pela engenharia mecânica”, nota o CEO da Critical Software, Gonçalo Quadros.

Mas antes de rumar ao futuro, esta história pede uma marcha-atrás. A relação entre a empresa portuguesa e o grupo alemão existe há dois anos, com a Critical Software a fazer já, em parte, aquilo que se compromete continuar a fazer, mas agora num contexto de joint-venture e não numa mera relação de cliente/fornecedor. Laços mais estreitos, portanto, e comprometimento (de ambas as partes) numa causa comum. Gonçalo Quadros não poderia estar mais orgulhoso desta conquista:

A BMW poderia ter escolhido um milhão de parceiros, mas escolheu-nos.”

Foi em Setembro de 2017, confidencia-nos o CEO da Critical Software, que Gonçalo atendeu uma chamada vinda da Alemanha. Foi o primeiro contacto, tomado por iniciativa da BMW, de uma série de muitos outros que culminaram no anúncio hoje feito por ambas as companhias: a constituição de uma joint-venture, que terá ainda de ser aprovada pelas autoridades competentes.

Espera-se que a luz verde seja dada em Julho, o que, a confirmar-se, permitirá à Critical TechWorks iniciar a actividade já em Setembro. A sede estará no Porto e os centros de engenharia dividir-se-ão entre a Invicta e a capital, “estabelecendo assim, em Portugal, um novo centro de excelência tecnológica”.

É certo e assumido que o protótipo iNext consubstancia a visão da BMW para o futuro da mobilidade. Também não será inocente o facto de o comunicado emitido pelo construtor de Munique sublinhar que “o Grupo BMW está a avançar para a sua transformação numa empresa de tecnologia de mobilidade como parte da sua estratégia Number One>Next”. Um redireccionamento, aliás, em que todos os grupos automóveis estão neste momento a trabalhar. A diferença é que, neste caso, o “motor” escolhido para acelerar essa transição tem genes portugueses.

Digamos que a tecnologia alemã encontrou na tecnologia portuguesa a sua alma gémea”, sintetiza Gonçalo Quadros.

Não foram revelados dados quanto à repartição do capital nesta joint-venture, mas Gonçalo Quadros assegura ao Observador que se trata de “uma participação substantiva”.

Resultados, perceptíveis para o cliente BMW, ainda tardarão. “Depois de começarmos a trabalhar em Setembro, vão ainda ser necessários alguns meses para que possamos fazer a incorporação tecnológica”, esclarece Gonçalo Quadros. O futuro não está propriamente ao virar da esquina mas, quando lá chegar, vai parecer-se aos descobrimentos portugueses… embarcados numa frota alemã.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt
África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)