É uma das últimas decisões estratégicas do Millennium BCP e uma das primeiras aplicadas pelo seu novo presidente-executivo, Miguel Maya: o banco vai cortar o financiamento a clubes de futebol, depois de vários anos a financiá-los de forma expressiva, noticia o Público.

O nível de risco, que se tem agravado em muitos casos nos últimos anos, e o facto de estarem fora do que o banco considera o seu negócio estratégico, sustenta a decisão do novo líder do Millennium BCP. A nova medida foi inscrita no regulamento interno do banco e coloca assim fim a parcerias históricas, entre as quais a que mantinha com o Sporting há vários anos.

O “cartão vermelho” mostrado por Miguel Maya às operações de financiamento com clubes não foi uma total surpresa. Há já algum tempo, aliás, que o banco tem vindo a reduzir a exposição ao futebol, devido ao nível de risco que o negócio envolve.Em 2012, por exemplo, quando o Millennium BCP pediu três mil milhões de euros de fundos públicos para se capitalizar através da liha da troika, uma das contrapartidas exigidas pelas autoridades europeias foi precisamente que o banco não alargasse a sua exposição aos clubes desportivos. Essa dívida ao Estado foi liquidada em fevereiro de 2017, as exigências foram levantadas e, agora, o corte no financiamento aos clubes passa a ser total.

O caso recente do Sporting e os problemas financeiros associados ao clube leonino coincidiram com esta decisão estratégica. De acordo com o jornal, as responsabilidades da instituição sportinguista perante terceiros atingiam 330 milhões de euros — deste total, 220 milhões de euros eram dívidas da SAD ao BCP e ao Novo Banco. A maior parte da exposição da SAD leonina à banca (cerca de 130 milhões) está relacionada com os Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC), enquanto os restantes 95 milhões de euros são empréstimos puros. Já as dívidas à banca do clube de Alvalade somam 80 milhões de euros.