NATO

Trump acusa a Alemanha de estar “capturada pela Rússia”

204

Na chegada a uma cimeira da NATO que se prevê intensa, em Bruxelas, o presidente dos EUA deixou as primeiras críticas. Europeus esperam apoio americano enquanto pagam "biliões" a Moscovo.

Getty Images

Donald Trump acusa os parceiros europeus da NATO de se resguardarem nos EUA para garantir a sua proteção militar, falhando nos compromissos de investimento em armamento militar e investigação enquanto pagam “milhões de milhões de dólares” em faturas energéticas à Rússia. “Penso que é algo para que a NATO tem de olhar”, diz o presidente norte-americano na chegada a Bruxelas.

“A Alemanha está capturada pela Rússia”, disse o líder norte-americano, resumindo o tom com que parte para as conversas dos próximos dias em torno da aliança militar do Atlântico Norte e das responsabilidades que cada um dos seus membros têm de assumir, desde logo, no que diz respeito ao financiamento desta estrutura. É suposto os EUA “defenderem-nos [aos parceiros europeus] contra a Rússia” quando países como a Alemanha pagam “milhões de milhões de dólares” a Moscovo, assinalou Trump.

Na reação às primeiras palavras de Trump, o secretário-geral da NATO tentou aplacar divergências no arranque do debate dizendo que a organização é “mais forte” se todos os seus membros estiverem “juntos”. Donald Trump não baixou o tom: como é que a NATO pode ser mais forte se a Alemanha está a contribuir para tornar a “Rússia mais rica”?

Reduzir a tensão e apostar no terreno comum

Apesar da posição inicial dos EUA, Stoltenberg mostrou-se “confiante” de que os parceiros NATO tomarão “boas decisões” sobre o futuro da organização transatlântica. O secretário-geral da NATO lembra que a dependência energética da Alemanha é uma questão “nacional” em que a organização não intervém mas não deixa de assinalar o princípio de “diversificação das fontes de energia” a que os países devem estar atento, para garantir que o “sistema energético é resiliente”.

Sobre um dos principais assuntos na mesa das discussões, Stoltenberg disse esperar “discussões abertas e francas” sobre os gastos com Defesa no âmbito dos parceiros NATO. “Vemos diferenças, desentendimentos entre os aliados” e, por isso, “é muito importante que esta cimeira mostre que a NATO cumpre” com os compromissos. “A minha principal tarefa é manter os 29 aliados juntos”, diz o líder da organização. E como é que isso se faz? Apostando nos “pontos em comum”.

“É do interesse da Europa e dos EUA e Canadá permanecer juntos”, assinalou o secretário-geral da NATO, numa intervenção em que os gastos em Defesa e as relações com a Rússia estiveram no topo das referências. “Todas as cimeiras NATO são importantes, mas esta é mais importante que as outras” porque a organização transatlântica está confrontada com problemas “mais complexos, mais difíceis e mais exigentes”.

Sobre um desses problemas, as relações com Moscovo, Stoltenberg insiste que a organização não aceita a anexação da Crimeia, tal como não aceita a ingerência cibernética da Rússia em países aliadas. Mas isso não serve de argumento para “isolar” o país de Vladimir Putin. “Quando a tensão está alta, esse é um momento para reforçar o diálogo” e reforçar pontes, considera o líder da NATO.

Ao mesmo tempo, o norueguês reconhece que há injustiças na forma como os 29 aliados respondem à obrigação de investimento no setor militar. E deu até o seu exemplo, como ex-ministro das Finanças. “Eu era muito bom a cortar os orçamentos de Defesa”, disse, reconhecendo que “a maior parte dos políticos gosta de gastar dinheiro noutros setores que não a Defesa”.

Stoltenberg não se limita a reconhecer essa realidade: “Os aliados concordam que aqueles que estão a gastar menos de 2% têm de gastar mais.”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)