Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dez colégios que pertencem ao grupo GPS vão receber cerca de 10 milhões de euros através dos contratos de associação do próximo ano letivo. O Ministério da Educação justificou a decisão com a falta de oferta pública e com o facto de ainda não terem sido dadas como provadas as acusações de corrupção ativa, peculato, falsificação de documentos, burla qualificada e abuso de confiança de que são alvo o fundador do grupo, António Calvete, e outros quatro administradores.

A notícia está a ser avançada, este sábado, pelo Expresso. O ministério de Tiago Brandão Rodrigues deu a conhecer, esta semana, os 29 colégios que terão novos contratados de associação, um total de 208 turmas do 2º e 3º ciclo e secundário financiadas pelo Estado — uma lista ainda provisória.

Dos dez colégios do grupo, três já tinham contratos de associação e outros sete passarão a ter, a partir do próximo ano letivo, turmas subsidiadas. O grupo terá um total de 42 novas turmas subsidiadas — só o Colégio Miramar, no concelho de Mafra, terá 16.

No ano letivo de 2015/2016, adiantou ainda o Ministério da Educação ao semanário, o colégio GPS chegou a receber 21 milhões de euros do Estado por 13 colégios com contratos de associação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Recorde-se que o Ministério Público acusou os cinco dirigentes do grupo GPS de se terem apoderado de mais de 30 milhões de euros que o grupo recebeu no âmbito dos contratos de associação e que foram utilizados para pagar despesas pessoais, nomeadamente cruzeiros, jantares, carros, vinho e, até, bilhetes para o mundial de futebol.

Como o grupo GPS se tornou grande e “poderoso” em poucos anos