O número de cidadãos que, em 2017, obtiveram novas licenças para uso e porte de arma aumentou quase 31% em relação a 2016. Só no ano passado foram emitidas 1.683 novas autorizações, mais 397 do que no ano anterior.

De acordo com o Jornal de Notícias, que cita números da PSP, são mais de 500 mil os portugueses que têm licença para usar armas: cerca de 300 mil podem ter uma arma de fogo no domicílio — licenças vitalícias que foram obtidas entre 1949 e 2006 — e cerca de 227 mil têm autorização para ter armas, seja para caça, defesa pessoal, para feiras cinematográficos e teatros, entre outros.

Dos portugueses com licença para ter armas, 167 mil têm licenças para caça, o que lhes permite circular com as armas pelo país, e não chega a nove mil o número daqueles que podem sair com as armas para espaços públicos.

Os dados da PSP revelam, ainda, que já foram destruídas mais armas até julho deste ano do que no ano passado: até 9 de julho foram destruídas quase 30 mil armas (em 2017 foram 27.535). O que também aumentou foi número de armas encontradas pela PSP. Nos primeiros cinco meses do ano já tinha sido encontradas 1.073 armas, enquanto no ano passado foram 218.

Mais: até maio, a PSP contabilizava 265 armas armas extraviadas — em 2017 foram 306 — e 3.812 apreendidas, mais de metade das confiscadas em 2017 (6.557), graças ao aumento do número de “ações de fiscalização”, adiantou o diretor do Departamento de Armas e Explosivos, o superintendente Pedro Moura, ao JN.