A Suécia pediu esta quarta-feira ajuda à União Europeia (UE), através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, para combater os múltiplos fogos florestais em curso no país, alimentados por uma vaga de calor pouco habitual.

As autoridades, que atualmente combatem 44 fogos, emitiram ordens de evacuação para as áreas de maior risco, incluindo as províncias centrais de Gävleborg, Jämtland e Dalarna. Até ao momento não foram registadas mortes. Dois aviões italianos e seis helicópteros noruegueses foram enviados para o centro do país, área mais afetada, segundo a agência de Segurança Civil sueca MSB.

Cinco incêndios foram também avistados na região da Lapónia, dividida entre Noruega, Suécia, Finlândia e Rússia, perto da cidade sueca de Jokkmokk, um popular destino turístico localizado no Círculo Polar Ártico.

“A última vez que vimos fogos desta dimensão foi há 12 anos”, afirmou um socorrista da região à agência francesa AFP. A MSB solicitou a ativação do Mecanismo Europeu de Proteção Civil para obter reforços, especificamente aviões bombardeiros, devido à falta de material e pessoal.

“A seca provocou um número importante de incêndios simultâneos nas florestas e nas terras”, indicou o serviço de urgências SOS Alarm em comunicado, acrescentado que o número “provavelmente” irá aumentar esta quarta-feira. “Não é bonito de se ver, queimam incontrolavelmente tudo e espalham-se rapidamente”, disse outro socorrista sueco à agência sueca TT.

Os meteorologistas do país lançaram nos últimos dias uma série de avisos devido às temperaturas extremamente elevadas na Suécia, um fenómeno “pouco habitual” na região. Em Upsalla, a 70 quilómetros a norte de Estocolmo, foram registadas temperaturas recorde, superiores a 33 graus. O sul da Noruega foi também atingido por um conjunto de fogos florestais, na semana passada.