500kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Morreu Oxana Shachko, uma das co-fundadoras do grupo feminista Femen, que se despiu frente a Putin

Este artigo tem mais de 4 anos

Oksana Shachko foi dos rostos do grupo Femen, conhecido pelos protestos em topless junto a vários dirigentes internacionais contra atitudes que considerava machistas. Foi encontrada morta em Paris.

i

AFP/Getty Images

AFP/Getty Images

A ativista ucraniana Oxana Shachko, uma das fundadoras do grupo feminista Femen, foi encontrada morta esta segunda-feira no seu apartamento em Paris, confirmou outra das co-fundadoras da organização, Anna Gutsol, aos meios de comunicação social. Ainda não foram confirmadas as causas da morte.

Segundo as autoridades locais, os amigos de Shachko estavam a tentar contactar a ativista há três dias, tendo-a visto pela última vez numa festa. Decidiram, então, ir ao seu apartamento, arrombaram a porta e encontraram o seu corpo. “Eles disseram que havia uma nota e à noite a polícia levou o seu corpo. De acordo com a versão preliminar trata-se de um suicídio”, explicou Gutsol a um canal de televisão ucraniano.

“Oksane é uma das mulheres mais notáveis do nosso tempo, uma das maiores lutadoras que combateu arduamente contra as injustiças que teve de enfrentar, contra as injustiças da nossa sociedade”, disse a atual líder da organização, Inna Shevchenko, através de um comunicado no Twitter.

Oksana deixou-nos, mas está aqui e em todo o lado. Ela está em cada um de nós que ficou ao seu lado, ela está no Femen que ela co-fundou. Ela está na sua pintura, através da qual expressou os seus talentos artísticos. Ela está na história do feminismo”, acrescentou Shevchenko.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Oksana Shachko tinha 31 anos e foi um dos rostos mais marcantes do Femen, que ficou conhecido pelos protestos em topless junto a vários dirigentes internacionais, incluindo o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o próprio Papa. Depois das várias polémicas foi deportada para a Ucrânia e em 2013 emigrou para a França, onde obteve o estatuto de refugiada política. Abandonou o movimento nessa altura e tornou-se artista em Paris.

A forma mais conhecida de protesto do Femen é de punho erguido, com pinturas no corpo e coroas de flores.

O Femen é um movimento feminista de origem ucraniana, fundado em 2008, no qual as ativistas protestam em topless contra tudo o que consideram ser atitudes machistas. A sua forma mais conhecida de protesto é de punho erguido, com pinturas no corpo e coroas de flores na cabeça. Segundo a AFP, o grupo tem enfrentado nos últimos anos ações legais contra algumas das suas integrantes.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.