271kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Morreu Oxana Shachko, uma das co-fundadoras do grupo feminista Femen, que se despiu frente a Putin

Este artigo tem mais de 2 anos

Oksana Shachko foi dos rostos do grupo Femen, conhecido pelos protestos em topless junto a vários dirigentes internacionais contra atitudes que considerava machistas. Foi encontrada morta em Paris.

i

AFP/Getty Images

AFP/Getty Images

A ativista ucraniana Oxana Shachko, uma das fundadoras do grupo feminista Femen, foi encontrada morta esta segunda-feira no seu apartamento em Paris, confirmou outra das co-fundadoras da organização, Anna Gutsol, aos meios de comunicação social. Ainda não foram confirmadas as causas da morte.

Segundo as autoridades locais, os amigos de Shachko estavam a tentar contactar a ativista há três dias, tendo-a visto pela última vez numa festa. Decidiram, então, ir ao seu apartamento, arrombaram a porta e encontraram o seu corpo. “Eles disseram que havia uma nota e à noite a polícia levou o seu corpo. De acordo com a versão preliminar trata-se de um suicídio”, explicou Gutsol a um canal de televisão ucraniano.

“Oksane é uma das mulheres mais notáveis do nosso tempo, uma das maiores lutadoras que combateu arduamente contra as injustiças que teve de enfrentar, contra as injustiças da nossa sociedade”, disse a atual líder da organização, Inna Shevchenko, através de um comunicado no Twitter.

Oksana deixou-nos, mas está aqui e em todo o lado. Ela está em cada um de nós que ficou ao seu lado, ela está no Femen que ela co-fundou. Ela está na sua pintura, através da qual expressou os seus talentos artísticos. Ela está na história do feminismo”, acrescentou Shevchenko.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Oksana Shachko tinha 31 anos e foi um dos rostos mais marcantes do Femen, que ficou conhecido pelos protestos em topless junto a vários dirigentes internacionais, incluindo o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o próprio Papa. Depois das várias polémicas foi deportada para a Ucrânia e em 2013 emigrou para a França, onde obteve o estatuto de refugiada política. Abandonou o movimento nessa altura e tornou-se artista em Paris.

A forma mais conhecida de protesto do Femen é de punho erguido, com pinturas no corpo e coroas de flores.

O Femen é um movimento feminista de origem ucraniana, fundado em 2008, no qual as ativistas protestam em topless contra tudo o que consideram ser atitudes machistas. A sua forma mais conhecida de protesto é de punho erguido, com pinturas no corpo e coroas de flores na cabeça. Segundo a AFP, o grupo tem enfrentado nos últimos anos ações legais contra algumas das suas integrantes.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.