China

China admite revogar lei que impede casais de terem mais de dois filhos

A revogação da lei do "planeamento familiar" representa o fim de quase quatro décadas de políticas de controlo da natalidade na China. Os casais poderão passar a ter mais de dois filhos.

Getty Images

A China está a estudar a possibilidade de reverter a “lei do planeamento familiar”, a política estatal que há quase quatro décadas impede os casais de terem mais de dois filhos.

A notícia foi avançada na segunda-feira pelo Procuratorate Daily — o jornal da Suprema Procuradoria Popular, a última instância de acusação e investigação na China — que teve acesso ao rascunho do Código Civil que será debatido pelos legisladores do Congresso Nacional Popular durante esta semana. De acordo com a publicação, o rascunho não inclui nenhuma referência a “planeamento familiar”. No entanto, não é especificado se a alteração à lei consiste num alargamento do número de filhos por casal ou na abolição completa da limitação.

A “lei do planeamento familiar” foi imposta pelo governo chinês em 1979. Com o objetivo de controlar a natalidade, os casais passaram a estar proibidos de terem mais do que um filho. Para que a lei fosse seguida, a China tornou os métodos contracetivos amplamente disponíveis, ofereceu incentivos financeiros e oportunidades de emprego preferenciais para quem a cumprisse. No caso de incumprimento, as autoridades aplicavam multas e, em alguns casos mais extremos (principalmente na década de 1980), forçaram abortos e esterilizações (principalmente de mulheres).

Segundo a Britannica, a política do “planeamento familiar” teve consequências que superaram as expectativas do governo. A China deparou-se com uma clivagem crescente entre géneros, uma vez que as famílias — principalmente de áreas rurais —  preferiam que o seu único filho fosse um rapaz, abandonando ou matando as raparigas.

Este problema, em conjunto com o abrandamento da natalidade, o envelhecimento da população e a redução da população ativa, obrigou o governo a revisitar a lei para rejuvenescer a população e evitar problemas económicos e sociais. “[O governo] enfrenta agora uma clivagem demográfica colossal, uma vez que a população ativa está a diminuir e a idade da população a aumentar rapidamente. Também não possui um programa de segurança social adequado para suportar a sua população envelhecida”, explica Mary Gallagher, professora de política da Universidade do Michigan, em declarações ao The Guardian.

Para reverter a situação, a partir de 2016, os casais passaram a poder ter até dois filhos.  No entanto, o aumento da natalidade ficou aquém das expetativas. Segundo o gabinete nacional de estatística chinês, em 2016 nasceram 17,9 milhões de crianças, apenas mais 1,3 do que em 2015 e metade do esperado pelo governo. No ano seguinte, ocorreram 17,2 milhões de nascimentos, número inferior aos 20 milhões previstos pelo governo.

Os fracos resultados da alteração à lei deixa os especialistas preocupados, nomeadamente com a possibilidade de as autoridades “intervirem tão agressivamente nas políticas pro-natalidade como agiram nas políticas anti-natalidade”. “Isto pode ter impactos muito negativos na posição das mulheres no mercado de trabalho, na sociedade e na família”, refere Mary Gallagher.

O novo Código Civil deverá estar concluído em 2020. Além das alterações à “lei do planeamento familiar”, este deverá incluir, segundo a agência Xinhua, “regras claras” para combater o “intenso problema do assédio sexual”, passando as vítimas a poder exigir que os abusadores “assumam responsabilidade civil”. Segundo a Reuters, o Código Civil poderá também passar a impor um período de reflexão de um mês antes do divórcio, durante o qual qualquer uma das partes pode pedir a suspensão do processo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)