Rádio Observador

Estados Unidos da América

John McCain deixou carta de despedida aos americanos. “Não desesperem, nada é inevitável”

580

Críticas veladas a Trump e uma referência ao "privilégio" de, há 10 anos, ter perdido as eleições para Obama. Senador John McCain deixou carta póstuma a pedir aos norte-americanos que "não desistam".

Getty Images

Partilhava com Donald Trump o seu partido republicano, mas pouco mais. John McCain, que foi senador pelo Estado do Arizona durante mais de 30 anos, morreu este sábado aos 81 anos, vítima de um tumor agressivo no cérebro. Poucos dias antes de morrer, pediu que parassem os tratamentos e preparou-se para o fim. Antes, contudo, deixou uma carta de despedida aos seus “compatriotas” da “mais incrível república do mundo”, que foi divulgada em voz alta esta segunda-feira por um dos seus mais próximos colaboradores, Rick Davis, antigo diretor de campanha.

Entre críticas veladas ao atual presidente norte-americano, Donald Trump, e elogios implícitos ao anterior, Barack Obama, o histórico senador republicano dedicou a maior parte das suas últimas palavras aos seus “compatriotas” norte-americanos, pedindo-lhes que “não desesperem perante as dificuldades dos dias de hoje”, porque “nada é inevitável”. Mais: “os americanos nunca desistem, nunca se rendem, nunca se escondem da história”. Pelo contrário, “fazem história”.

Na carta emotiva, John McCain relembra o “orgulho americano” com o qual viveu e morreu, elogiando os grandes “valores” que fazem dos EUA “uma nação de valores, e não de sangue e solo”. “Tornámo-nos uma bênção para a humanidade quando defendemos e fizemos avançar esses ideais, em casa e pelo mundo. Ajudámos a libertar mais pessoas da tirania e da pobreza do que qualquer outro país no mundo em qualquer era da história”, disse, para logo depois acrescentar que, durante esse processo, os EUA prosperaram e “adquiriram poder” — um poder que ultimamente foi confundido com outra coisa.

É aqui que entra aquilo que está a ser entendido como uma crítica ao atual presidente Donald Trump, de quem John McCain sempre foi um dos mais audíveis críticos internos. Para McCain, “quando confundimos patriotismo com rivalidades tribais que espalham o ódio, o ressentimento e a violência”, estamos a “enfraquecer a nossa grandeza”. E o mesmo acontece quando “nos protegemos atrás de muros em vez de os fazermos ruir” — também essa é uma forma de enfraquecimento da grandeza americana, diz.

Enfraquecemos a nossa grandeza quando confundimos patriotismo com contendas tribais que espalham o ódio, o ressentimento e a violência por todas as partes do globo. Enfraquecemo-lo quando nos protegemos atrás de muros em vez de os fazermos ruir, e quando duvidamos dos nossos ideais, em vez de lhes confiarmos a grande força motriz que sempre tiveram na mudança no mundo”, lê-se.

Nas suas últimas palavras, o senador de 81 anos apela sobretudo à unidade do povo norte-americano, que “discute” e “compete”, por vezes de forma feia e agressiva em debates televisivos, mas que “sempre teve muito mais em comum do que de diferente”. E, novamente, mais uma referência aos tempos conturbados da era Trump: “Se pelo menos nos lembrássemos disto mais vezes e déssemos uns aos outros o benefício da presunção de que todos amamos este país, então aí conseguiríamos ultrapassar com mais dificuldade estes tempos complicados”. Mais uma coisa é certa, disse: “Sairemos [destes tempos complicados] mais fortes do que antes. Sempre foi assim”.

Já a chegar ao fim, ainda tem tempo para uma referência ao combate que travou em 2008 frente a Barack Obama — e que perdeu. Foi “um privilégio”, diz, porque a noite da derrota foi uma das noites em que mais sentiu a “fé inabalável dos americanos”. “Há dez anos, tive o privilégio de assumir a minha derrota na eleição para presidente dos EUA. Quero terminar esta carta de despedida falando da fé inabalável que senti nos americanos de forma tão poderosa naquela noite. E que ainda sinto hoje”, disse.

Foi aí, pegando na ideia da fé inabalável, que John McCain pediu aos norte-americanos que continuem a fazer história, como sempre fizeram: “não desesperem”, “não se rendam”, “não desistam”, “não se escondam da história”. Porque, termina, “não há nada de inevitável aqui”.

“Adeus, compatriotas. Deus vos abençoe e Deus abençoe a América”.

Segundo esclareceu depois Rick Davis, numa conferência de imprensa em Phoenix, no Arizona, Donald Trump não irá marcar presença no funeral de John McCain, nem na homenagem póstuma que haverá na capital Washington D.C.. O vice-presidente Mike Pence será o representante do governo na cerimónia de homenagem que terá lugar no Capitólio.

Na segunda-feira à tarde, contudo, Donald Trump emitiu um pequeno comunicado onde esclarecia que, apesar das divergências políticas que mantinham, iria mandar colocar a bandeira norte-americana a meia haste até ao dia do funeral do ex-senador.

“Apesar das nossas diferenças em política e sobre políticas, respeito o serviço que o senador John McCain prestou ao nosso país e, em sua honra, assinei uma proclamação para deixar a bandeira dos EUA a meia haste até ao dia do seu funeral”, disse em comunicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
112

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)