Passadeira Vermelha

Sara Sampaio ou Georgina: quem brilhou mais na abertura do Festival de Veneza?

200

Em matéria de estilo, a resposta é a expectável. O Festival de Veneza arrancou na quarta-feira, mas a passadeira vermelha fica estendida até 8 de setembro. Eis as primeiras estrelas a pisá-la.

No que toca ao estilo, seria sempre um bocado óbvio responder à pergunta: quem ganha a quem? Sara Sampaio tem muito pouco que provar em matéria de elegância, ainda assim, a modelo portuguesa demonstrou-o mais uma vez quando usou o seu vestido Giorgio Armani na noite de abertura da 75ª edição do Festival de Veneza. Enquanto Sara deslumbrou, no verdadeiro sentido da palavra, Georgina Rodriguez, namorada de Cristiano Ronaldo, estreou-se na passadeira vermelha dos mais importantes prémios de cinema em solo italiano.

Em torno dela, concentrou o entusiasmo próprio de quem vê a nova vizinha exibir-se em traje de gala pela primeira vez, desde que, em julho, Cristiano Ronaldo e a família assentaram arraiais em Turim. Para a ocasião, a escolha de Georgina esteve longe de ser brilhante. O vestido preto, da marca italiana Twinset, revelou-se pouco interessante, da transparência da saia ao decote a descoberto que, a socialite decidiu compor apenas com uns brincos.

No ano em que o realizador Guillermo del Toro preside ao júri na competição, são, naturalmente, os jurados, ou pelo menos alguns deles, quem mais brilha na passadeira vermelha. É o caso de Naomi Watts, a poucas semanas de completar 50 anos. A atriz australiana puxou pelo pantone do dia. A passadeira foi vermelha, como manda a tradição, mas os vários tons de rosa predominaram. A modelo britânica Lottie Moss, as atrizes Claire Foy e Olivia Hamilton, a mexicana Patricia Contreras e a modelo francesa Gabrielle Caunesil deram força ao manifesto.

No meio, Jo Squillo, com Giusy Versace à direita e, à esquerda, Gessica Notaro © VINCENZO PINTO/AFP/Getty Images

À parte dos visuais das estrelas, a abertura da passadeira vermelha de Veneza ficou marcada por outros momentos. Falamos da chegada de Vanessa Redgrave. A atriz britânica de 81 anos foi homenageada na primeira noite do festival com um prémio de carreira e só dividiu as atenções com o filme em antestreia. O Primeiro Homem na Lua (First Man), de Damien Chazelle, abriu o festival de cinema mais antigo do mundo e, apesar da produção ser americana, levou várias celebridades italianas ao Palazzo del Cinema, incluindo a cantora e compositora Jo Squillo. Esta fez-se acompanhar da atleta paralímpica Giusy Versace e da ex-finalista do concurso Miss Itália Gessica Notaro que, em janeiro de 2017, foi ataca na cara com ácido pelo ex-namorado.

Emma Stone ainda não pisou a passadeira vermelha, mas já está em Veneza © FILIPPO MONTEFORTE/AFP/Getty Images

Pela frente estão ainda quase duas semanas de festival em Veneza. Fora da passadeira vermelha, já foram avistados os realizadores Alfonso Cuaron e Spike Lee, tal como as atrizes Olivia Colman e Emma Stone.

Na fotogaleria, reunimos os melhores looks do arranque da 75ª edição do festival de Veneza.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)