As vendas a retalho em julho progrediram em termos homólogos na zona euro e na União Europeia (UE), mas recuaram nos países da moeda única face ao mês anterior, registando Portugal a segunda maior quebra mensal (-1,0%), segundo o Eurostat.

Na comparação com o mês homólogo de 2017, o volume das vendas do comércio a retalho aumentou, em julho, 1,1% na zona euro e 2,0% na UE. As maiores subidas neste indicador foram observadas na Polónia (7,7%), na Lituânia (7,2%) e na Irlanda (6,6%) e as principais quebras em Malta (-2,6%), na Suécia (-1,1%) e na Áustria (-1,0%).

Segundo o gabinete de estatísticas da UE, face a junho, as vendas a retalho recuaram 0,2% na zona euro e mantiveram-se estáveis nos 28. Os maiores recuos registaram-se na Bélgica (-2,1%), em Portugal (-1,0%), na Suécia (-1,0%) e os principais avanços na Eslováquia, na Estónia (1,1% cada) e no Reino Unido (0,8%).

Face a julho de 2017, as vendas a retalho subiram 2,2% em Portugal.